Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Crónicas da Cidade dos Leões

Um blog que adora partilhar dicas e reflexões sobre lifestyle, descobertas e organização. Sejam Bem Vindos!

Crónicas da Cidade dos Leões

Um blog que adora partilhar dicas e reflexões sobre lifestyle, descobertas e organização. Sejam Bem Vindos!

3 vezes em que "mordi a língua"

Adoro a expressão "morder a língua" já que dá uma ideia muito visual daquilo que fazemos tantas e tantas vezes: engolir os nossos "eu nunca" de uma forma absolutamente espantosa... 

O que vos proponho hoje é uma viagem pelos principais "eu nunca" que fui dizendo ao longo dos anos e a realidade atual... em que mordi a língua forte e feio. Porque é sempre saudável rir das certezas que acabamos por deixar cair a terra... e aprendemos imenso com isso. 

Preparados?

- "Emigrar não é para mim" - Acabei a licenciatura na altura em que os primeiros membros da mais tarde batizada "geração à rasca" saíram do pais. Apesar de o assunto ser atual na altura nunca tal coisa me passou pela cabeça, afinal nunca "abandonaria a luta". 

Não muito tempo depois, e por razões óbvias, comecei a ver alguns colegas a pegarem nas malas e a partirem eles também. Nessa altura as minhas convicções eram menos rígidas mas continuei a dizer alto e bom som que "emigrar não é para mim". 

Mais ou menos um ano depois de visitar uma amiga em Paris e de reforçar a minha ideia inicial de que não era feita para aquela vida tive eu própria vontade de abraçar a aventura... que quase oito anos depois ainda dura! 

 

- "Se me juntar não me caso" - Esta é quase uma piada privada cá em casa... 

A verdade é que tendo crescido num meio rural a ideia de ver alguém um casal viver junto antes do casamento era incompatível com a ideia de casar depois. Não que o visse como um pecado ou algo do género mas não via interesse em festejar algo que já acontecia e fazia-me sentido "sair de casa dos pais para a casa de casado". 

Claro que, anos mais tarde, "mordi a língua" forte e feio já que o pedido de casamento chegou três meses depois de virmos morar juntos... e o sonho do vestido, do anel de noivado e a importância que passei a dar à oficialização da coisa me fizeram esquecer as minhas antigas certezas. 

 

- "Filho meu dormir na minha cama? Nunca..."- Há uma expressão francesa que diz "avant j'avais des principes maintenant j'ai des enfants" (antes tinha princípios agora tenho filhos) e admito que ela me assenta que nem uma luva. E trazer o meu filho para a minha cama era daquelas certezas absolutas que existiam dentro da minha cabeça. 

Até ao dia em que, depois de uma noite complicada, a única forma de descansarmos os três fosse trazê-lo para terreno proibido. 

Sim, não se deve fazer e blablabla mas às vezes uma pessoa faz como pode e, sinceramente, há regras que sabem bem se forem infringidas uma vez por outra. Mas, de qualquer das formas, a maternidade é rica em "morder a língua". 

 

Claro que ainda tenho muitos mais "eu nunca" que acabei por mudar ao longo dos anos mas são estes os mais flagrantes e também os que mais me fazem rir ai imaginar a minha cara de há uns anos atrás a ver o meu eu de hoje.  

E por aí, quais os principais "mordi a língua" da vossa vida? Não deixem de partilhar connosco... riremos de certeza um bom bocado!

Um grande beijinho e até ao próximo post!

hayes-potter-9-552VdUNK4-unsplash.jpg

Photo by Hayes Potter on Unsplash

 

 

O Primeiro (de muitos) Julgamentos

Aproveitamos que estávamos os dois em casa para ir tratar do cartão do cidadão do herdeiro ao consulado. Sendo que não vamos a Portugal há praticamente um ano não queremos colocar em causa a possibilidade de ir pelo Natal e decidimos ir tratar do assunto, especialmente porque o cartão do cidadão deve ser feito nos primeiros vinte dias de vida de uma criança. 

Infelizmente o herdeiro anda numa fase em que acha que o mundo é muito divertido e que dormir é uma autêntica perda de tempo pelo que as sestas, tão necessárias nesta ideia, são esquecidas e depois temos de lidar com do "tenho sono mas não quero dormir". 

Durante o tempo de espera (muito atrasado, mesmo com hora marcada) e com os estímulos que vinham de todos os lados, a certa altura o pequeno desatou num pranto e ficou impossível de consolar muito por causa do sono acumulado.

Enquanto a funcionária que nos atendeu foi um poço de amabilidade e com uma paciência infinita, compreendendo que aquilo não estava a ser fácil de gerir, fez o melhor que pode para simplificar as coisas, a colega do guichet do lado, depois de soprar umas quantas vezes e praguejar mais algumas, perguntou-me descaradamente se não tinha ao menos água para dar ao miúdo.

Foi a primeira vez que alguém me fez claramente um julgamento pela forma como lido com o meu filho e fiquei nem sei bem como (entretanto, e sem me conseguir conter, respondi-lhe sem medir a educação das minhas palavras).

Se se ficasse só pelos suspiros ainda passava mas interpelar a mãe, neste caso eu, sobre o que deve ou não fazer é um limite que nunca acreditei que alguém conseguisse passar, especialmente quando o atraso foi deles e eu estava a fazer todos os possíveis para o acalmar e despachar as coisas o mais depressa possível...

Considero que existem duas razões para as pessoas fazerem julgamentos de valor sobre este assunto, sendo que uma delas é a falta de conhecimento e a outra puro azedume.

Para o segundo não há solução e para o primeiro o meu filho, em menos de três meses, já me ensinou o antídoto: muita paciência e meter todas as opiniões sobre a educação dos outros num sítio que nós cá sabemos...

Se estivessemos todos mais dispostos a colaborar e menos a julgar os outros, seja porque razão for, o Mundo seria um local bem mais agradável e encontraríamos bem mais soluções para os seus problemas. Porque a única coisa que aquela senhora conseguiu foi enervar-me mais ainda a mim e em consequência irritar ainda mais o meu filho fazendo-o chorar ainda mais. Ou seja ninguém ganhou nada com o negócio... 

E por aí, qual foi o julgamento mais ridículo que vos fizeram ou que vocês fizeram enquanto não tinham filhos? 

Um grande beijinho e até ao próximo post!

brytny-com-lP51ekRTh9Y-unsplash.jpg

Photo by Brytny.com on Unsplash

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

10 Coisas a saber antes de emigrar

Com a crise económica que se avizinha são várias as pessoas que colocam em cima da mesa a hipótese de emigrar e por isso mesmo, nestes últimos dias, as mensagens com pedidos de informação sobre empregos, alugueres ou outros temas têm crescido nas diferentes páginas de facebook de emigrantes em França ou em Lyon de que faço parte. 

A maior parte dessas publicações são cheias de esperança mas, em algumas delas sobressaí um certo desfasamento da realidade. E foi essa crença ainda tão presente de que emigrar é forçosamente sinónimo de sucesso absoluto que me impulsionaram a escrever este post

Não quero com ele dissuadir ninguém de tentar a sua sorte até porque eu sou a prova viva de um processo que correu bem mas gostaria de vos trazer algumas lições sobre emigração que fui recebendo quer na primeira pessoa quer como alguém que presenciou as experiências melhores e piores de outros emigrantes.

Porque começar do zero não é fácil mas são os primeiros meses os mais duros e é uma decisão que deve ser tomada com "os pés bem assentes na terra", especialmente quando toda a família, inclusive crianças, está envolvida no processo. 

Outro ponto que me parece importante frisar é que a crise económica não existe só em Portugal e mesmo os países mais ricos, e consequentemente maiores recetores de emigrantes, vão pagar um preço elevado por todas as medidas de lock-down e isolamento social que surgiram ao longo do último ano e isso que pode prejudicar quem chega "à procura de uma vida melhor". 

Por isso aqui vos deixo dez coisas que me parecem fundamentais saber ou fazer antes de emigrar para que aqueles que estão decididos a partir o possam fazer nas melhores condições possíveis. 'Bora lá? 

 

- Não partir totalmente à aventura:

Pessoalmente tive a sorte, porque a falta de pessoal na minha área profissional me permitia essa negociação, de vir com contrato de trabalho assinado e casa assegurada para os primeiros quatro meses.

Essa facilidade não é dada a todas as pessoas mas é importante que, antes de embarcar numa aventura destas, já se tenha um emprego assegurado e um local para morar. Ou senão amigos ou familiares que vos possam alojar e ajudar durante os primeiros tempos. 

 

- Aprender as bases da língua:

Se não é preciso ser bilingue para emigrar parece-me necessário ter alguns conhecimentos da língua do pais de acolhimento o que, acreditem, vos facilitará a vida em muitas coisas.

Será mais fácil comunicar com possíveis patrões e colegas de outras nacionalidades (e consequentemente arranjar emprego), recorrer aos serviços de saúde e informar-se dos seus direitos e deveres. Porque infelizmente coisas menos boas acontecem e, entre possíveis doenças que surjam e ser vitima de má fé ou de contratos abusivos, não ter forma de comunicar pode ser bastante limitante. 

 

- Trazer alguns documentos traduzidos:

Pode existir a necessidade de fornecer alguns documentos do pais de origem seja no aluguer de casa, no recurso aos serviços da segurança social e por aí fora. Por isso não se esqueçam de trazer traduções (oficiais, claro) de papéis que possam ser necessários. 

Para documentos oficiais fornecidos pelo Registo Civil estes podem já vir em versão europeia (onde já estão traduzidos em várias línguas) o que é mais barato do que fazer a tradução do documento em português.

A não esquecer também de verificar as datas de validade do cartão do cidadão e da carta de condução e pedir um cartão de saúde europeu, que pode ser de extrema utilidade em caso de urgência hospitalar durante os primeiros tempos, e que é totalmente gratuito. 

 

- Informar-se das diferentes obrigações administrativas:

Saber de avanço alguns dos passos a dar quando se chega ao novo pais é fundamental para que as coisas sejam mais fáceis.

Processos como a inscrição na segurança social, obrigações de responsabilidade civil, inscrições das crianças nas escolas e por aí fora podem ser verdadeiros quebra cabeças se não estivermos já minimamente preparados para eles.

Admito que ainda hoje, ao fim de quase sete anos, há procedimentos que me parecem autênticos quebra cabeças e ainda o ano passado nos vimos com uma história de seguro automóvel nas mãos que nos deu "pano para mangas". 

 

- Chegar com alguma antecedência ao pais de acolhimento:

Há muitas coisas que são fundamentais e das quais nem nos damos conta mas quando vimos para um país novo temos de tratar delas.

Por isso chegar com algum tempo de antecedência será útil para a instalação e a realização de algumas tarefas básicas como abrir uma conta no banco ou ter um número de telefone para citar apenas algumas.

Se for mesmo a primeira vez na cidade nova é também importante conhecer a localização, e a forma de chegar, ao novo local de trabalho, ao supermercado mais próximo e por ai fora... 

 

- Não trazer a casa às costas:

Quando se chega a um novo pais podemos ser obrigados a ficar num alojamento temporário ou a ter de mudar de cidade no meio do percurso, por isso trazer apenas o essencial será uma grande ajuda para os primeiros tempos.

Outra ideia importante é a de que não vale a pena investir muito em móveis e recheio de casa nos primeiros tempos pois, em caso de necessidade, esses objetos podem tornar-se um estorvo e quanto mais baratos menos peso na consciência teremos se os deixarmos para trás. 

Em França uma boa opção passa pela compra de móveis em segunda mão já que existe muita variedade e existem lojas como a Emmaus que vendem coisas mesmo muito baratas. 

 

- Ter uma solução de saída:

As coisas podem correr maravilhosamente, e na maioria das vezes nem se passam mal, mas pode acontecer que todo o projeto derrape e aí é importante ter uma solução de saída e algum dinheiro disponível para regressar a casa em caso de necessidade.

Claro que não é esse o objetivo mas mais vale prevenir do que remediar, certo?!

 

- Preparar-se para a Saudade e para a distância:

Toda a gente calcula que a saudade dói mas é quando estamos sozinhos e nos deparamos com a dificuldade real que é viver noutro pais sem conhecer nada nem ninguém que nos apercebemos de quão difícil ela pode ser.

E se há coisa que o amigo Covid nos trouxe foi uma distância enorme entre países. 

Por isso preparação mental para a saudade e aproveitar as pessoas que vos são mais queridas antes de vir é fundamental para que o projeto se realize com maior tranquilidade. 

 

- Aceitar as Diferenças:

Uma das grandes dificuldades que a maior parte do emigrantes encontra são as diferenças culturais entre Portugal e o país de acolhimento. Seja na comida, no comportamento das pessoas e mesmo na forma de pensar. 

Aceitar estas diferenças de avanço e estar disposto a "aprender" com as pequenas falhas que todos fazemos é fundamental para uma boa integração.

E claro que todos nós conhecemos pessoas que só compram produtos portugueses, só vem televisão portuguesa e só se relacionam com outros portugueses (e na prática não há nada de errado com isso) mas mais cedo ou mais tarde, e pelas mais variadas razões, o desconhecimento da forma de fazer e da língua podem tornar-se um problema. 

E já que estamos no pais dos outros porque não aproveitar o melhor que ele também tem a oferecer?!

 

- Memorizar que "rir é mesmo o melhor remédio":

Somos estrangeiros e, quer queiramos quer não, vamos ouvir uma ou outra piada mais ou menos gentil sobre o nosso sotaque, o nosso aspeto físico ou os nossos pequenos erros de dicção ou de gramática.

A juntar a isso as anedotas sobre o nosso pais de origem ou a noção ridícula de que somos um pais de terceiro mundo (tive uma colega que me perguntou uma vez de se fazia transplantes de órgãos em Portugal, como se fosse uma espécie de especialidade francesa, o que me deixou siderada...). 

De qualquer forma é importante ter em conta que nem sempre as pessoas fazem estes comentários por maldade, apesar de existirem parvos em todo o lado, e que o melhor remédio é mesmo rir (e ser humilde o suficiente para aprender o que nos ensinam de bom grado pois nada como um nativo para nos ensinar a forma e o conteúdo da língua e da cultura do país...). 

 

E por aí alguém com mais algumas coisas que queiram partilhar? Conhecem alguém que esteja a ponderar emigrar? Não deixem de partilhar com eles estas informações.

Um grande beijinho e até ao próximo post!

arie-wubben-pFUEpJUSyyE-unsplash.jpg

Photo by Arie Wubben on Unsplash

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

 

Vai um Crepe?

Hoje aqui por terras gaulesas celebra-se a Chandeleur que, simplificando as coisas, é conhecido como o "Dia de Comer Crepes". 

Para saberem mais sobre o assunto deixo-vos um post da querida Patrícia do As Nossas Voltas que tantas vezes já explicou esta festa (e deixou mesmo algumas receitas) e aproveito para lhe desejar uma rápida recuperação. 

Neste dia (e durante todo o mês de Fevereiro) comer crepes é uma tradição por aqui. Sejam eles doces ou salgados, simples ou combinando diversos tipos de farinha (os de trigo serraceno típicos da Bretanha continuam a ser os meus preferidos) eles podem dar origem a uma refeição fácil e convivial que alegra as papilas de pequenos e grandes. 

Eu não sei vocês mas eu não conheço coisa melhor do que fazer o Mundo à volta de uma boa refeição mesmo que em pequeno comité. 

Sendo assim, e caso precisem de uma desculpa para comer um docinho, desejo-vos uma excelente festa dos crepes. 

Um beijinho e até ao próximo post! 

delaney-van-s_aGnOcfCq0-unsplash.jpg

Photo by Delaney Van on Unsplash

 

Crónicas de uma Ida ao Consulado

Olá a todos!

Em primeiro lugar quero esclarecer uma coisinha com este post: ele foi feito em tom de brincadeira e não pretende nem atacar os Portugueses que vivem em França já que eu própria faço parte do "rol" e muito menos ofender os funcionários públicos em geral, e os consulares em particular.

Mais uma vez eu própria sou funcionária pública e tenho na minha família próxima vários funcionários públicos e sei que, apesar de toda a má fama, muitas vez se faz mesmo o melhor que se pode com o que se têm à mão! 

Mas é uma verdade quase universal: qualquer pessoa têm sempre aquele "stressezinho" no momento de se dirigir a uma repartição pública seja porque assunto for.

Entre os preconceitos habituais e o facto de os processos mais simples serem muitas vezes morosos e termos a impressão de que são feitos para nos "dificultar a vida" as razões para atrasarmos ou tentarmos evitar de nos dirigir a uma conservatória ou a umas finanças são muitas. 

Ir ao consulado não é igualmente uma parte de prazer.

Em primeiro lugar, e descobri isto recentemente, apesar de existirem muitos postos consulares em França apenas alguns têm reais competências de consulado o que quer dizer que uma coisa tão simples como fazer um cartão do cidadão pode ser um quebra-cabeças e exigir muitas horas de viagem para algumas pessoas. 

Felizmente para mim, que vivo perto de um dos 7 consulados gerais, isso é um problema que não se coloca. 

Por uma razão profissional, ou melhor numa história em que me foi pedido "beneméritamente" ajuda com um caso de um paciente que não dominava o francês, fiquei com uma péssima impressão do consulado.

Não vou narrar a situação pela simples razão de que considero que está guardada dentro do "sigilo profissional" e, mesmo que não fosse, não é uma história minha e por isso não têm lugar no blog.

A única coisa que interessa saber é que a situação era emergente e enquanto nós (hospital) pressionávamos de um lado, o consulado fazia aquilo que lhe competia e que dizem chamar-se "diplomacia". Em resumo todos tentaram fazer bem o seu trabalho mas o problema é que o relógio médico e o relógio diplomático não andam bem com a mesma velocidade...

Na realidade, e à distância, parece-me que os consulados são os parentes pobres dos registos centrais em Portugal.

Têm de lidar com situações complicadas (sim, porque a emigração na sua maioria não é clandestina mas há muitas situações dramáticas que se vivem e muita gente que ainda se encontra a braços com contratos ilegais, falta de inscrição na Segurança Social local e por aí fora), resolver "berbicachos" valentes com moradas, documentos caducados à anos e por aí fora e ainda lidam com uma população que, merecedora de todo o respeito, leva à letra a ideia do Português desenrascado (e um bocadinho Chico-Esperto). 

No entanto, às vezes podia haver um esforço do outro lado para explicar de forma sucinta e clara alguns processos diplomáticos e um bocadinho menos de "eu estou aqui a fazer-te um favor" (admito que foi a primeira vez em que me pediram para desinfetar eu mesma a máquina dos cartões do cidadão enquanto a funcionária se manteve impávida e serena sentada na sua cadeira a 3 metros de distância). É preciso manter distâncias sociais mas não abusemos... 

Os pontos positivos desta visita foram a rapidez e as marcações que nos fazem não perder horas lá, já que uma marcação às 8h, pelas 8h30 estava despachada... (O Covid têm coisas boas...). E a loja portuguesa do outro lado da rua (admito que se vou a uma loja portuguesa uma vez no ano é o muito) e que me permitiu comprar um queijo limiano que me ficou a apetecer desde o Natal...

E por aí quem têm experiência de consulado? Como se sentem com eles? 

Beijinhos e até ao próximo post!

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

Descobrir Lyon #2: Fête des Lumières

Post n.º 8 do Calendário do Advento da Nala

A Cidade de Lyon, em França, que me acolhe desde 2016 têm uma grande tradição à volta do dia 8 de Dezembro.

É por estes dias que a famosa Fête des Lumières (ou Festa das Luzes, em Português) ilumina os principais pontos turísticos do centro histórico da cidade e quando as luzes de Natal se acendem. 

A Festa das Luzes, como se conhece hoje, advém de uma tradição muito antiga em honra de Nossa Senhora. 

Em 1168 é construída na Colina de Fourvière, um dos pontos mais altos da cidade, uma capela em homenagem à Virgem. Esta é renovada e acolhe peregrinos todos os anos pelo 8 de Setembro. 

Chegado o ano de 1643 os representantes da cidade sobem à colina para pedir a proteção divina contra a peste que assola o Sul de França. Lyon foi poupada nesta ocasião e em muitas outras situações semelhantes ao longo da história o que faz aumentar a devoção dos seus habitantes a Notre Dame de Fourvière

Em 1850, as autoridades religiosas lançaram um concurso para a realização de uma estátua de Nossa Senhora que seria colocada no topo da colina. A sua inauguração estava prevista para o dia 8 de Setembro de 1852 mas é adiada para o dia 8 de Dezembro do mesmo ano, devido a uma cheia no rio Saone.

Nesse dia o tempo estava bastante mau e mais uma vez as autoridades religiosas estavam à beira de anular a festa... só que o céu acabou por ficar limpo e os moradores dispuseram, de forma completamente espontânea, velas a arder nas suas janelas.

Quando a noite caiu toda a cidade estava iluminada. Os religiosos continuaram o movimento acompanhados pelo povo e a capela de Fourvière aparece a brilhar na noite de Lyon

Desde esse dia uma verdadeira tradição nasceu e os Lyonnais colocam os chamados "lumignons" nas suas janelas, colocam os enfeites de Natal e as iluminações de Natal públicas são inaugurados nesse dia. 

Desde 1999 a Festa das Luzes ocorre por quatro dias (sempre à volta do 8 de Dezembro) e acolhe visitantes do Mundo inteiro. 

Este ano, e devido à pandemia não haverá Festa, apesar de algumas iluminações abrilhantarem a cidade, mas toda a gente já preparou os seus lumignons. Os nossos estão ali à espera de ir para a janela! 

Fonte: https://www.fetedeslumieres.lyon.fr/

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

6 anos de França

Hoje é um dia "especial". Faz exatamente 6 anos que cheguei a França para viver... 

Quando me perguntam o porquê de ter dado este passo, eu para quem a palavra "emigração" nunca fez sentido, respondo que queria melhorar as minhas possibilidades a nível profissional.

Mas sei que, bem no fundo de mim, desejava provar-me a mim mesma que era capaz de gerir tamanha mudança. Que trocar o certo pelo incerto era não só possível como acessível. 

E é sempre com curiosidade e espanto que, neste dia, recordo cada passo, cada aprendizagem, cada momento bom e também cada momento difícil, porque deixemo-nos de histórias vidas 100% felizes só acontecem nos filmes. 

Todos os anos o balanço é mais importante e cada vez menos reconheço a "miúda" que embarcou. 

Perdi muito, não posso mentir. Perdi momentos em família, "amigos" nem se fala, festas, bons momentos. Mas desde o início que decidi que tristezas não pagam dividas e que é o aqui e o agora que importam! 

E ganhei outros amigos, experiência de vida e muitas histórias para contar. E a certeza que sim, sou capaz e essa garanto-vos que não têm preço (ok, ninguém precisa de se colocar um grau de dificuldade tão grande para provar o seu valor, estamos de acordo). 

E quando me dizem que um ano não é nada nem se faz nada e eu faço este balanço fico sempre com um sorriso nos lábios. Se num ano não se fizesse nada em seis anos não se faria tanto. 

E o melhor ainda está para vir 

Bom Domingo!

frame-harirak-ig_q4PSrkG4-unsplash.jpgPhoto by Frame Harirak on Unsplash

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

Objetivo de Rentrée

Nunca soube escolher onde queria gastar a minha energia. Sempre me lancei a fazer tudo e mais alguma coisa desde que a oportunidade se apresentasse. 

Com o crescimento e sobretudo a mudança de prioridades que tenho experienciado ao longo dos anos tenho visto aumentar a minha necessidade de fazer escolhas. Afinal a minha energia e o meu tempo são recursos finitos que, por muito que eu queira, acabaram num momento ou outro. 

Admito, no entanto, que têm sido um trabalho árduo mas pouco eficiente. 

Tento fazer escolhas baseadas nos meus valores e naquilo que é essencial na minha vida. Evito entrar em guerras que estão perdidas à partida ou que dependem de terceiros. Mas, por muito que as intenções sejam as melhores, chega a altura em que o cansaço se apodera, em que a relatividade cai por terra e em que os meus padrões se alteram. 

E é dificil manter o foco e recentrar-me... E sinto-me cansada e desesperada pelo momento em que um acontecimento de vida ou a vontade divina vão mudar o curso das coisas. 

Este mês de Agosto passou-se um bocadinho nestes moldes. Com um horário de trabalho cronofágico e dias de descanso reduzidos e incompletos e, em consequência, muito pouca energia foi dificil de desligar e o peso dos dias, das horas e das semanas deixaram-me completamente dependente das "vagas da vida". 

Gastei demasiada energia a fazer o que não queria e da forma que não queria e tive de utilizar artefatos para me manter motivada e com a cabeça "à tona de água". Acabei o mês com os dentes serrados e à espera que o seu final, e as férias que viriam a seguir, chegassem. Não é cem por cento saudável mas mantive-me firme até ao fim e isso é muito bom!

Não sei como trabalhar nisto, até porque as mudanças já passaram o "intrínseco" e precisam de ser mais estruturais. Mas esperemos que as férias me tragam a clareza necessária para estabelecer este objetivo de rentrée.

drew-graham-cTKGZJTMJQU-unsplash.jpg

Photo by Drew Graham on Unsplash

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

10 Coisas de que gosto mais em França do que em Portugal

Aqui há uns tempos atrás já vos tinha trazido as "10 coisas de que gosto mais em Portugal do que em França" e foi um texto que agradou bastante. Hoje, e para fazer justiça ao pais que me acolheu há quase 6 anos, trago-vos as "10 coisas que gosto mais em França do que em Portugal". 

Se não me conhecem ou se descobrem agora este tipo de textos no blog gostaria de vos dizer que o objetivo disto não é, de todo, fazer uma comparação entre paises mas apenas olhar, com algum humor, para diferenças (ou parecenças) marcadas entre os dois. 

Se gostarem destes posts não deixem de comentar, assim como se vocês tiverem alguma experiência internacional ou tal como eu (e mais uma boa quantidade de Portugueses) morem ou tenham morado em França. 

Agora que a mensagem está passada podemos começar as 10 coisas de que gosto mais em França do que em Portugal

Curiosamente foi-me mais difícil escrever esta versão, vá-se lá saber porquê. 

Ora aí vamos nós!

 

- Mercados: Os mercados semanais de fruta e legumes são uma instituição em França.

Não há ninguém, ou são muito poucos, aqueles que não aproveitam uma manhã de fim de semana para fazer as suas compras de fruta, legumes, queijos e por aí fora. E os clientes vão desde jovens a pessoas mais velhas.

Um encanto!

 

- Montras das Pastelarias: A pastelaria francesa e a pastelaria portuguesa são bastante diferentes e igualmente boas mas, no que a apresentação diz respeito, os nossos primos gauleses dão-nos uma "abada". Basta olhar para as montras das pastelarias e as nossas papilas começam a bater palminhas de contentamento. 

As diferenças de preço, mesmo com as diferenças de salário, são muito mais vantajosas para os comilões em Portugal.

 

- Rendez-vous no banco: A cultura do hora marcada para tudo é algo que, às vezes, me chateia por aqui... Para quase tudo é preciso hora marcada e é sempre o consumidor que faz os esforços.

No entanto quando se trata de bancos esta marcação pode ser uma benção. O gestor de conta estará ali e com o trabalhinho pré-feito para responder a todas as tuas questões... Prático, não?!

 

- Horários de trabalho: Ok, sem querer entrar em discussões sobre políticas de emprego, a verdade é que os horários de trabalho em França podem ser bastante vantajosos (claro que depende dos casos). 

 

- Respeito dos Domingos: De uma forma geral por aqui os supermercados ora estão fechados ao Domingo ora estão em horário parcial (de notar que, de uma forma geral a "amplitude horária" é bem mais pequena do que em Portugal, com horários que vão das 8:30 às 21h). Isso, apesar de nem sempre me "dar jeito" enquanto compradora me deixa feliz por saber que os funcionários poderam aproveitar algum tempo em família. 

 

- "Apéro": O Apéro (ou aperitivo) é aquele tempo convivial em que se bebe um copo e se come qualquer coisa antes da refeição.

Pode ser feito antes da refeição quer comamos juntos ou não ou em forma de "lanche-ajantarado". 

Este tempo é bastante comum por aqui e é aproveitado por pessoas de todas as idades e, pessoalmente, acho-o bastante convivial. 

 

- A Montanha: Se em Portugal vos falei da próximidade do Mar aqui tenho de vos falar da próximidade da montanha.

Sejam os Alpes ou os vulcões de Auvergne, em Lyon estamos relativamente próximos de grandes zonas montanhosas.

Se os desportos de Inverno não me tentam nem um pouco admito que as passeatas no verde da montanha e à volta dos lagos são bastante tentadoras. 

 

- Preços e "escolha" em cosméticos: Já se sabe que eu sou a maluquinha dos mil e um cremes.

A verdade é que por aqui os preços são (ligeiramente) mais baixos do que em Portugal e a escolha é um bocadinho maior (mesmo que isso esteja a mudar). 

 

- Percursos de caminhada bem marcados em todo o lado: Os percursos de caminhada são bastante procurados por aqui e, em consequência, numerosos e muito bem marcados. 

Ainda para mais, ao chegares a um sítio novo, conseguirás facilmente uma carta seja online, seja através de aplicações específicas para telémovel ou em sites internet. 

 

- Escolha de queijos: Em Portugal temos muito bons queijos mas, em França, a oferta é muito maior e mais variada. Há literalmente queijos para todos os gostos e feitios e, para uma grande gulosa como eu, isso é uma benção!

 

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

10 Coisas de que gosto mais em Portugal do que em França

As diferenças entre paises podem ser imensas e, mesmo tendo uma raíz comum, há grandes diferenças entre Portugal e França.

Como é óbvio há coisas de que gosto mais de um lado, há coisas de que gosto mais de outro e achei que isso poderia ser engraçado de comentar aqui dando "pano para mangas" no que a posts diz respeito. 

Hoje trago-vos 10 coisas de que gosto mais em Portugal do que em França

Não esqueçam de me deixar o vosso feedback nos comentários e também se gostam deste tipo de conteúdo.

Também gostava de saber se alguma destas coisas vos surpreendeu e se, tal como eu, vivem ou viveram em França qual a vossa percepção de cada um destes pontos. 

'Bora lá!

- Peixe Fresco: Como alguém que dá muito valor à comida o peixe é das coisas que mais tenho saudades!

Em primeiro lugar por aqui o preço do peixe fresco é muito elevado (mesmo tendo em conta os salários mais altos) e depois a qualidade nem sempre está presente. 

 

- "Beber Café": Em França, de uma forma geral, as pessoas não têm o hábito de parar num café antes de ir para o trabalho ou à hora de almoço.

Claro que há quem passe numa esplanada para beber um copo no fim do dia ou mesmo ao fim de semana mas ir ao café "beber um café" é algo muito pouco habitual. Ler o jornal então nem se fala... 

 

- Pão: Apesar de ser o pais da "baguette" a verdade é que o pão na maior parte dos comércios em França (especialmente nas grandes cidades) é bastante fraco.

Em Portugal temos normalmente mais variedade, mais quantidade e com melhor qualidade mesmo nos supermercados mais pequenos. 

 

- Proximidade do Mar: Este ponto aqui não é exatamente igual para todas as pessoas que vivem em Portugal pois depende da zona do pais onde se vive mas, de uma forma geral, todos os portugueses podem ver o Mar com bastante frequência. Por aqui a distância pode ser superior a 7h de carro... 

 

- Simplicidade Portuguesa: O Português é, por norma, mais "simples" na sua forma de estar e por isso torna-se extremamente doce.

Às vezes chega a cair no extremo de achar que tudo aquilo que se faz em Portugal não presta ou que o pais só tem coisas más (ou em todo o caso piores do que os outros paises).

Já os franceses são muito mais "seguros de si mesmos". E todos, desde a comunicação social à publicidade passa a imagem de que a França está à frente do resto da Europa em tudo, o que nem sempre é verdade.

Por exemplo a nível da gestão do COVID 19 foi dado muito mais foco aos números dos outros paises e muito menos aos números em França que, portanto, foram enormes!

 

- Filmes em Versão Original: Por aqui tudo o que passa na televisão é dobrado em francês e, na maioria das sessões de cinema, os filmes também.

E não é incomum estares dentro da sala quando te apercebes que te enganaste na sessão que querias ver e que o Brad Pitt vai ter voz de tudo menos de Brad Pitt

 

- Caixas multibanco: Em Portugal é normal encontrarmos caixas multibanco em tudo quanto é sítio. Ainda para mais podemos fazer fazer pagamentos, transferências, etc.

Em França as caixas multibanco são pouco comuns e as suas funções limitam-se a fazer levantamentos (excepto em algumas caixas internas aos bancos que têm mais opções mas muito menos do que as nossas). 

 

- Relações Familiares: Este ponto não está escrito na pedra mas é uma realidade (inclusive comentada por alguns amigos franceses) que a relação de família em Portugal é mais forte do que em França.

Talvez devido às distâncias entre as diferentes regiões ou ao facto de os filhos serem independentes mais cedo mas estas diferenças podem ser mesmo muito flagrantes com filhos que apenas vêem os pais no Natal e que apresentam o companheiro aos pais na véspera do casamento.

E sinceramente prefiro a união familiar portuguesa apesar das suas desvantagens.  

 

- Serviços de Entregas: Todos os estrangeiros que vivem em França se queixam da mesma coisa.

Enquanto em Portugal, quando nos entregam algo em casa se alinham pelos nossos horários em França é a empresa que decide qual é o horário e a ti de te organizares para estar em casa (nem que para isso tenhas de faltar ao trabalho). 

Ainda para mais os "atrasos" e as "perdas" das entregas são relativamente mais bem tolerados do que em Portugal. 

 

- Expressividade: Em Portugal somos, de uma forma geral, muito mais expressivos. Rimos por tudo e por nada e choramos também por qualquer coisa. É o nosso lado mediterrânico.

Em França as pessoas são mais fechadas e estão menos habituadas a demonstrar os seus sentimentos. E sinceramente às vezes tenho muitas saudades de rir a bandeiras despregadas como o fazemos em Portugal. 

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais visitados

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub