Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Crónicas da Cidade dos Leões

Um blog que adora partilhar dicas e reflexões sobre lifestyle, descobertas e organização. Sejam Bem Vindos!

Crónicas da Cidade dos Leões

Um blog que adora partilhar dicas e reflexões sobre lifestyle, descobertas e organização. Sejam Bem Vindos!

Dia dos Namorados várias vezes por ano

Eu que adoro todas as festas e aproveito todos os motivos para festejar não aprecio particularmente o Dia dos Namorados. 

Esse meu desamor vem da adolescência e da entrega anual de cartas e cravos na escola, sinceramente era a única altura do ano em que detestava não fazer parte da elite das "miúdas giras da escola". 

No entanto, e apesar de todo o lado comercial que esta festa envolve, não deixa de ter o seu valor se a virmos como um lembrete de que mimar e cuidar da cara metade é importante e crucial para o bem estar do casal. 

Mas se São Valentim só há um dia por ano, a verdade é que essas pequenas atenções devem ser bem mais frequentes, especialmente com a nossa vida corrida e as inúmeras solicitações externas. 

O que vos proponho hoje são algumas pequenas ideias que acho fáceis de colocar em prática para mimar o outro (e ser mimada de volta claro) independentemente do tempo e do dinheiro que temos disponível.

 

- Preparar uma mesa bonita e preparar o jantar preferido:

Verdade seja dita, nos dias que correm ir ao restaurante não é propriamente fácil, mas isso não impede que não possamos desfrutar de uma refeição especial a dois. 

Um prato simples, uma mesa arranjadinha e uma música ambiente são uma excelente ocasião de conversar, de partilhar e de namorar muito.

 

- Deixar um recadinho escrito à mão:

Nunca estivemos tão conectados como agora, tanto que já nem damos valor às mensagens que nos chegam de todos os lados. Por isso, eu acredito, que uma mensagem escrita à mão é sempre uma forma fofinha de mostrar a nossa afeição pelo companheiro ou companheira.

E nem precisa de ser nada de especial... um simples "Tem um Bom Dia" pode ser suficiente para tornar o dia mais especial. 

 

- Desconectar-se... para se conectar:

Se há coisa que "mata" muitos casais é o facto de estarem constantemente ligados às redes sociais. Por isso criar momentos de desconexão e conversar ou ouvir música juntos são ótimas formas de mostrar a afeição pelo outro. E cá por casa este é um desafio em curso. 


- Dedicar se a uma atividade em conjunto:

Seja um jogo, um passatempo ou uma série... fazer algumas atividades que interessem aos dois é sempre uma excelente forma de criar ligação e de passar um tempo de qualidade na melhor das companhias. 

 

E por aí, qual a vossa forma de trazer o dia dos namorados para os outros dias do ano? 

Beijinhos e até ao próximo post

laura-ockel-zAOBpEE_vV4-unsplash.jpg

Photo by Laura Ockel on Unsplash

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

O meu Vision Board para 2022

Neste inicio de ano decidi criar um "Visionboard" que me ajude a relembrar dos meus objetivos para este ano. 

Estes quadros de inspiração, que conhecemos pela sua utilização em moda, decoração ou design, foram transformados em "visualizadores de sonhos" pelos adeptos da Lei da Atração. 

 

A Lei da Atração e o Visionboard

A "Lei da Atração", tão conhecida graças ao livro publicado "O Segredo" de Rhonda Byrne, consiste na crença de que a mente e o universo trabalham em sintonia para que cada pessoa atraia tudo aquilo que deseja.

Não sou uma aficionada desta forma de pensamento mas reconheço que o facto de nos mantermos focados e confiantes nos nossos objetivos e sonhos nos deixa mais despertos para as oportunidades e as escolhas e cedências a fazer. 

 

Como contruir um visionboard?

Para construir um visionboard é preciso saber o que nos motiva e/ou faz o nosso coração bater mais forte. Pode ser a decoração de um espaço em casa, um sonho de consumo ou mais tempo em casal, por exemplo. 

Conforme o nosso gosto pessoal e sobretudo a nossa vontade, podemos juntar outras coisas que nos fazem felizes ou com as quais nos identificamos como frases motivadoras ou as nossas cores preferidas. 

Podemos contruir um visionboard em formato físico (com uma cartolina e recortes de revista) ou em formato digital através de sites como o Canva, por exemplo. Independentemente da forma como construimos o nosso acho importante garantir que ele possa ser alterado e adaptado ao longo do ano. 

Para que ele funcione mesmo como "lembrança" é importante que o mantenhamos debaixo dos nossos olhos.  

 

O meu Visionboard para 2022

269210035_3106406219631132_4105412768584049989_n.p

Decidi começar com um Visionboard minimalista e em formato digital.

Nele coloquei imagens que me relembram os meus principais desejos e objetivos para este ano mas pretendo ir fazendo atualizações à medida que projetos e sonhos se forem juntando e ficando mais claros na minha cabeça. 

Como o meu objetivo era ter algo bonito e simples optei por juntar-lhe apenas uma frase "Atrais aquilo que transmites" cujas duas interpretações diferentes que lhe consigo encontrar me fazem todo o sentido ("Não podes querer mais do que dás" e "mereces o equivalente ao que transmites"). Juntei-lhe também a palavra "Serenidade", que escolhi como palavra do ano segundo o método da coach Clotilde Dusolier*

Optei por deixar o meu visionboard no ecrã de bloqueio do meu telemóvel e até agora já me serviu umas quantas vezes de motivador... e o ano ainda agora começou! 

 

E vocês, já conheciam os Visionboard? Conseguem manter o foco nas vossas resoluções de Ano Novo ou precisam de algo que vos relembre delas? Quais as vossas astúcias?

Um grande beijinho e até ao próximo post! 

*site em língua francesa

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

9 Indispensáveis para sobreviver aos primeiros dias do bebé

(E nem todas são materiais...)

O nosso menino está a crescer a olhos vistos e, desde a semana passada, já está na creche (sim, sim... mesmo que isso deixe o coração dos pais apertadinho). A distância a que já estamos do pós-parto permite-nos avaliar, com a cabeça fria, os problemas dos primeiros dias e partilhamos convosco algumas das nossas falhas ou de coisas que se tornaram essenciais a nossos olhos. 

Nem tudo o que vamos falar é material e sobretudo é uma mera opinião pessoal que não compromete que nós os dois enquanto casal e pais de um menino de 3 meses.

Algumas destas coisas foram-nos ditas nas aulas de pré-parto e as outras por amigos mas nunca é demais relembrar, especialmente porque com tanto avisos falhámos em tanta coisa... 

(Queria relembrar uma coisa, especialmente para os pais de primeira viagem como nós e que têm tendência a desesperar durante os primeiros tempos, que a querida Anita dizia muitas vezes nos comentários que me deixava "Os primeiros dois meses são os mais dificeis, depois tudo fica mais fácil" e ela tinha imensa razão. Um enorme beijinho para ti e obrigado pela força )

Preparados?

- Comprar roupa suficiente e mesmo em tamanhos pequenos:

Queriamos ser "minimalistas" no que toca a roupa e acabamos por não ter roupa suficiente para o bebé. Claro que podiamos ter comprado mais a qualquer momento mas visto que ficamos mais tempo na maternidade do que o previsto a roupa nem para esses dias chegou e o pai teve de fazer milagres para tentar manter tudo em ordem. 

Pela mesma ocasião, e apesar de nos aconselharem sempre a comprar roupa de um mês "porque um bebé cresce muito depressa", a verdade é que o nosso filho nasceu mesmo mesmo pequenino e a roupa de um mês ficava-lhe enorme. Por isso se tivessemos umas coisitas de tamanho 0 não se tinha perdido nada;

 

- Não exagerar nos "consumíveis":

Discos de amamentação, fraldas, chupetas e por aí fora são coisas que mais vale esperar antes de fazer stock. Nunca sabemos o que nós e o nosso bebé toleramos ou não e, numa fase em que os gastos são muitos, tudo o que fica parado é dinheiro empatado. E nós ainda ficámos com algum dinheiro empatado... 

 

- Comida Congelada... Muita!:

Se, como nós vivem longe da família (ou mesmo que vivam perto) abusem nas reservas de comida congelada. Cozinhar é, de facto, uma das maiores dificuldades destes dias e a carga mental é bastante diminuida por termos o que comer.

 

- Moderar os contatos:

Os primeiros dias com um bebé são uma espécie de "tsunami". Lembro-me que recebi muitas mensagens de felicitações mas não consegui responder a nenhuma... estava demasiado centrada no meu bebé. E se as mensagens e os telefonemas não foram ainda mais deve-se sobretudo à moderação que fizemos. 

Por isso aconselho-vos mesmo a moderarem os contatos com o exterior. Os primeiros dias são de "bolha" para que pais e bebé (e possíveis irmãos e irmãs) se conheçam. A não ser que tenham mesmo vontade de partilhar tudo desdo o início com a família mais alargada ou amigos, claro... 

 

- Descansa muito e tira tempo para ti:

Esta é dos maiores clichés que podem existir e todas nós sabemos que, no final da gravidez, dormir não é das coisas mais fáceis. Mas aproveitem todos os bocadinhos de sossego para se repousarem, lerem um livro ou tratarem de vocês. Depois haverão novas prioridades... 

 

- Tempo para o Casal:

Sabem a vossa vida de casal, com jantares românticos e conversas intermináveis? Pois, vai reduzir drasticamente ou mesmo ficar em stand by durante uns tempos... por isso aproveitem enquanto podem porque os próximos meses não vos darão muito tempo para isso.

E não se esqueçam que não é por acaso que a taxa de separações após o nascimento de um bebé é enorme e que as relações só avançam se forem acarinhadas e se houver paciência e compreensão entre os dois mesmo nos dias mais dificeis. 

 

- Desliga-te das redes sociais... 

Sobretudo se te começares a sentir uma nódoa por tudo e por nada. Os criadores de conteúdo passam-nos apenas uma imagem e também tem problemas e não é porque alguém diz que tens de fazer assim, que tens de fazer assim.

És tu a mãe/pai e és tu que sabes o que é melhor para ti, o teu bebé e a tua família e, por muitos boas intenções que as pessoas tenham (como eu, com este post) podem fazer-te duvidar de ti própria e das tuas escolhas. 

 

- Não fiques bloqueada nas tuas decisões anteriores:

Mesmo que queiram muito amamentar até tarde prevejam biberões e uma latinha de leite, mesmo que estejam decididos a usar apenas fraldas laváveis tenham em casa um pacote de fraldas clássicas... Todas as decisões anteriores podem ter de ser revistas quando o bebé estiver cá fora por isso facilita-te a vida de avanço, sem culpas nem sensação de "falhanço". 

 

- Aprende a fazer-te confiança e a perdoar-te:

É fácil perder a autoconfiança sobretudo quando damos conta que estamos a cometer erros. Mas isso é mais uma aprendizagem que podemos transmitir aos nossos filhos: ninguém nasce ensinado e cabe a cada um de nós dar o melhor de si próprio para crescermos juntos, perdoarmos e sermos felizes como uma família deve ser. 

 

E por aí, qual o maior receio e a maior surpresa desagradável com a chegada de um bebé? 

Um grande beijinho e até ao próximo post!

heike-mintel-4vzfUNqi7h4-unsplash.jpg

Photo by Heike Mintel on Unsplash

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

 

 

 

10 Boas Razões de Amar o Outono

O Outono ganhou, nos últimos anos, o título de "minha estação do ano preferida". 

Se é verdade que as estações quentes são mais alegres, que a chuva é incomodativa e tudo o mais, consigo encontrar mil coisas que amo nesta estação. 

Hoje deixo-vos aqui dez delas. Espero que vos inspire a apreciar ainda mais este período do ano. 

 

- O regresso dos dias mais frescos, mas não excessivamente frios; 

- As primeiras tardes acompanhadas por um bom livro, uma manta e uma bebida quente; 

- As cores que pintam as árvores; 

- O cheiro a tarte de abóbora e a castanhas assadas; 

- O som da chuva a cair lá fora; 

- O aconchego das roupas mais quentinhas; 

- O começo ou recomeço de algumas das nossas séries de eleição;

- A volta dos tons terrosos; 

- A desculpa perfeita para momentos tranquilos em casa; 

- O conforto de uma rotina já bem estabelecida depois do regresso de férias. 

 

E por aí, fãs do Outono ou nem por isso? O que gostam mais nesta estação? 

Beijinhos e até ao próximo post!

hugo-l-casanova-NF1aOiXwgsc-unsplash.jpgPhoto by Hugo L. Casanova on Unsplash

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

Repetir Roupa Sim... mas como?!

A Querida Just Smile publicou recentemente no seu Instagram uma foto com um lindíssimo vestido e lançou  um assunto de reflexão: faz mesmo sentido não repetir roupa num casamento apenas porque nos ensinaram que é assim que se faz?
 
Para mim a resposta é não. Apesar de já ter feito muito isso sobretudo quando era mais nova e essa máxima era comum, inclusive a minha mãe levava-a à letra e só usávamos a mesma roupa em casamentos se não houvesse convidados de uns entre os convidados do outro, hoje em dia as coisas mudaram, a percepção da minha mãe e a minha também, e repito roupa com orgulho porque: 
 
- Considero uma pena deixar uma coisa bonita no armário e não usufruir dela;
- De um ponto de vista económico sai "extremamente caro" usar uma peça apenas uma vez, por muito barata que seja;
- Não gosto de acumular coisas e gastar recursos por nada e considero isso desperdício.
- Se as celebridades o fazem porque é que o comum dos mortais acha que não deve repetir roupa?!
 
Ao longo dos últimos anos, e depois de muitas horas de videos no youtube, aprendi a criar estratégias para reutilizar o mais possível as minhas roupas e hoje deixo-vos algumas dessas escolhas que faço de forma a maximizar o que tenho ao máximo dando o mínimo de impressão que uso sempre o mesmo. 
 
1) Quando compro algo tento sempre fazê-lo em consciência, de forma a que a nova aquisição se encaixe no meu guarda fato e que seja facilmente possível de combinar seja em estilo, seja em cor. 
 
2) Tento sempre investir em peças bem acabadas e bem cortadas pois considero que essas peças são mais preparadas para a reutilização e acho deselegante usar uma peça mal acabada num evento social; 
 
3) Respeito religiosamente as instruções de lavagem e prefiro gastar mais algum mas levar as roupas mais delicadas, como um vestido de cerimónia por exemplo, à lavandaria;
 
4) Uso aplicações para combinar cores ou circulos cromáticos pois tornam mais fácil, e divertido, combinar cores para sair do óbvio... e assim disfarças as repetições; 
 
5) Se invisto numa peça para reutilizar tento que ela se adeque aos meus gostos mas que não seja demasiado vistosa, sobretudo se tiver estampas ou uma cor um bocadinho mais fortes, já que são mais discretas e sobretudo mais fáceis de combinar; 
 
6) Abuso nos acessórios e nas terceiras peças porque eles tornam qualquer roupa um quase todo o terreno;
 
7) Uso as redes sociais, nomeadamente o pinterest e o Instagram já que são excelentes formas de tirar ideias para criar novas combinações. Guardar o que nos interessa e combina com o que já temos é meio caminho andado para quando tivermos de meter mãos à obra. 😎
 
8) Não deixo tudo para a última da hora Se tenho um casamento dentro de 15 dias o melhor é antecipar o outfit sob pena de me deixar desencorajar e acabar por ir comprar coisas desnecessáriamente (às vezes com tempo até se pode pedir emprestado alguma coisa que precisamos daquela vez mas que dificilmente voltaremos a pôr); 
 
E por aí qual a vossa relação com a repetição de roupa, especialmente em ocasiões especiais onde sempre ouvimos dizer que não se devia repetir roupa (ou fingir que não se repetia...)? Quais as vossas dicas para dar um jeitinho diferente à mesma peça.
 
Um grande beijinho e até ao próximo post.
 
 
 
 
Enter
 
 
 
 
 
 
 
«

10 Momentos de Self-Care em... 10 minutos!

Sempre estive convencida de que tempo para si é também questão de organização.

Mas neste momento, por mais que me tente organizar, confesso que tempo é coisa que não me sobra e o self care é a última das minhas prioridades, pelo menos até encontrarmos o nosso ritmo cá em casa (processo que já está bem mais avançado do que há uns dias)

 

E é nesta redescoberta de um equílibro completamente diferente, bastante mais complexo, rico e fascinante que me surgiu a ideia deste post: o que posso fazer em 10 minutos para me cuidar e ter um tempinho para mim numa agenda (neste momento apenas familiar ) carregada. Porque tomar conta dos outros só é possível quando tomamos conta de nós também.

 

Por enquanto não consigo ser regular nem realizar todas as atividades da lista, até porque não depende só de mim, e passo muitas vezes os meus poucos dez minutos disponíveis a recuperar o atraso do sono ou a responder às mensagens que ficaram para trás. Mas a ideia é guardar a lista para aqueles momentos livres que aparecem de forma inusitada durante o dia e que é preciso aproveitar da melhor forma. 

 

- Beber um café ou um chá em silêncio... ou acompanhado por algumas das tuas músicas favoritas;

 

- Ler duas páginas de um livro é um luxo para qualquer leitor impulsivo como eu. E isso pode ser feito em dez minutos; 

 

- Realizar uma curta sessão de alongamentos... porque o corpo também precisa de estar em forma; 

 

- Verificar e colocar em ordem as "to do list" já que diminuir a "carga mental" é uma ótima maneira de se sentir melhor; 

 

- Fazer uma máscara express é uma boa opção quando estamos por casa e não temos muito tempo disponível... especialmente agora que há produtos tão eficazes e tão rápidos no mercado; 

 

- Preparar a roupa para o dia seguinte é uma excelente atividade sobretudo para as almas vaidosas deste Mundo (aqui me confesso). E preparar a roupa de véspera pode ser bem divertido e um ótimo escape; 

 

- Organizar e imaginar o próximo fim de semana ou as próximas férias... há lá algo melhor do que isto para uma mente cansada?

 

- Fechar os olhos e desfrutar do silêncio... para quem se sente à vontade a meditação é sempre uma opção; 

 

- Sonhar acordado... é das coisas mais fáceis, rápidas e eficazes para nos enchermos de energia sem sair do sítio... e parece que nos esquecemos de como isso é importante e mesmo de como se faz...

 

- Verificar as redes sociais (sem exageros) e como forma de motivação e NUNCA para nos lamentarmos da nossa vida e assumirmos que a vida alheia é perfeita em oposição à nossa. 

 

- A dica bonús é passar para o computador a ideia de post que me trabalha na cabeça já há uns dias... E sabe tão bem!

E por aí, qual a vossa atividade de "self-care express" para quando o tempo e a energia não abundam?

Um grande beijinho e até ao próximo post! 

sincerely-media-2eDp0UqvgB8-unsplash.jpg

Photo by Sincerely Media on Unsplash

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

 

To Do List de Gravidez

Mais ou menos a meio da gravidez decidi fazer uma to do list de coisas que queria fazer durante esta fase. 

Algumas destas coisas estavam ao meu alcance pela simples razão de que fiquei com mais tempo disponível e também que me senti menos "culpada" por me dedicar a fazê-las. Por outro lado preferi prevenir o cansaço e a falta de tempo dos próximos meses e recarregar baterias. 

Hoje partilho, de forma parcial, esta lista convosco e convido-vos a partilhá-la com as futuras mamãs que estão à vossa volta. Porque acho fundamental que nos mimemos e que nos cuidemos pois só assim poderemos tratar dos outros da melhor forma possível, inclusive do futuro bebé. E uma gravidez tranquila (tanto quanto possível) e futuros pais em paz e com energia valem ouro nesta fase (conselho de todas as amigas mamãs e de todos os profissionais de saúde com os quais me cruzei). 

Ora aqui fica ela. Preparados?

 

- Descansar muito:

Apesar de me dizerem para aproveitar para dormir a verdade é que passei uma gravidez pautada por insónias intermináveis. A solução? Fazer sestinhas quando a oportunidade se apresentava ou, pelo menos, descansar um bocadinho em silêncio para recuperar energias. 

 

- Reafirmar os próprios gostos, valores e vontades:

Se foram as hormonas se o tempo que tive para me dedicar a isso não sei mas a verdade é que tive uma enorme necessidade de me reencontrar comigo mesma ao longo destes meses. Reatar paixões antigas e criar moodboards de coisas que gosto, com as cores e o espírito que gosto foi um divertimento e um exercício de auto(re)conhecimento bastante interessante e ficará ali à vista para quando o cansaço se apoderar de mim e precisar de me reapropriar dos meus gostos; Porque numa fase de tantas descobertas, reencontrar-se consigo mesmo e reafirmar-se é um prazer inexplicável. 

 

- Passar projetos de futuro para o papel:

Por volta do fim do 2º trimestre senti uma enorme necessidade de começar a pensar no "depois de bebé estar cá fora". A verdade é que preciso de me sentir envolvida com coisas novas e a sua chegada eminente ajudou a mudar as minhas prioridades e a precisar de me readaptar agora e no futuro.

Por isso aproveitei para organizar, planear, projetar, sonhar e passar tudo isso para o papel. Porque, podem não ser projetos de imediato mas serão úteis no futuro e criá-los agora com tempo livre já é meio caminho andado para quando forem precisos. 

 

- Cuidar de mim:

Fazer desporto, tratar mais do que nunca da minha pele (e portanto vocês sabem como essa é uma das minhas paixões), hidratar-me e comer bem tem sido prioridades absolutas ao longo destes meses. Tive mesmo tempo para uma pequena mudança de visual e um belo tratamento em instituto para ganhar forças renovadas para o que aí vem!

 

- Dedicar-me à decoração da casa e aos projetas DIY:

O facto de passar mais tempo em casa, assim como a tentativa de criar um ninho mais agradável para acolher o bebé, fizeram com que me dedica-se à decoração.

Nada de bem extravagante mas entre o seu futuro quarto e mudar uma ou outra coisa que precisavam de um ar de mudança foi uma atividade que me deu muito prazer. 

Pela mesma ocasião dediquei-me, pela primeira vez, a um verdadeiro projeto de DIY decorativo, nada de muito complicado, mas que me deixou com aquele gostinho do "fui eu que fiz" na boca! :)

 

- Falar muito com as amigas:

As amigas não estiveram muito presentes nesta fase muito devido às restrições e confinamentos mas as oportunidades para falar ao telefone não faltaram e soube mesmo muito bem. Mesmo assim ainda consegui reencontrar algumas pessoalmente e foi uma alegria! 

 

- Namorar, passear e aproveitar o tempo a dois:

A nossa vida de casal vai mudar e decidimos aproveitar para queimar os últimos cartuxos da vida a dois. Se uns bons dias de férias, as quais tinhamos tanta vontade, não foram possíveis aproveitamos esta fase para passear aqui perto, desfrutar do tempo a dois e namorar muito. Porque acreditamos que o reforçar dos lados e as boas memórias nos ajudaram a reencontrar o nosso futuro equilíbrio a três ainda mais importante tendo em conta que os avós estão a duas horas de voo de distância...

 

E por aí, quais as coisas que acham que se entrariam bem nesta to do list? Grávidas com quem partilhar estas dicas? 

Beijinhos e até ao próximo post!

ella-jardim-MshUpuE1SK0-unsplash.jpg

Photo by Ella Jardim on Unsplash

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

 

10 Regras para realizar boas compras online

Se os sucessivos confinamentos serviram para alguma coisa foi para aumentar o volume de compras feitas online.

Plataformas como a Amazon cresceram exponencialmente ao longo dos últimos dois anos e, com as mudanças que fomos interiorizando, tenho algumas dificuldades em acreditar que a tendência se altere nos próximos tempos. 

Pessoalmente, apesar de ter alguma curiosidade, sempre fui reticente a comprar online. Entre outras coisas porque gosto de ver o produto na mão, aprecio o conselho do funcionário e o facto de saber que a minha compra mantém um posto de trabalho de alguém que eu estou a ver ali há minha frente. 

No entanto, tal como muitos de vocês, as compras online entraram definitivavemente na minha vida ao longo deste último ano.

As vantagens que sou obrigada a reconhecer-lhes é que compro melhor (sim, sim... sou daquelas que compra mais facilmente por impulso numa loja e quanto mais cheia, pior já que o meu desejo mais intimo é sair dali), há mais escolha e produtos para todos os gostos e reconheçamos que os preços são, por vezes, mais convidativos. 

No entanto, comprar online exige o cumprimento de algumas regrinhas e é sobre elas que vos quero falar hoje. Espero que gostem e que partilhem aquela amiga ou amigo que não pára de fazer disparates online.

 

- Verificar a confiabilidade do vendedor:

Normalmente os sites mais conhecidos não oferecem grandes riscos no momento da compra mas existem pequenos sites ou mesmo páginas de facebook que podem ser um bocadinho menos "cumpridores".

O que vos aconselho é tentarem informar-se via google sobre a empresa em questão ou terem alguma atenção aos comentários nas redes sociais. Se tudo estiver correto, ótimo mas se vocês não estiverem seguros melhor deixar para lá afinal não vão morrer por falta daquela peça. 

 

- Ter em atenção às políticas de trocas: 

Um outro problema relacionado com as compras online é a política de trocas.

Por exemplo, no que diz respeito a roupa as marcas de fast-fashion ou de empresas com muito nome no mercado, existe facilidade na troca mas deve sempre fazer-se atenção às despesas com o reenvio (se é a cargo do vendedor, do comprador e a que preço) e às condições de troca.

Em caso de lojas mais pequenas nada como perguntar diretamente ao vendedor qual o funcionamento com as trocas o que vos permitirá também de verificar a sua reatividade; 

 

- Reenviar o que não serve ou está em mau estado nos devidos prazos: 

Ainda relacionado com as trocas, precisamos ter em atenção o tempo de que dispomos para reenviar o que não serve ou reclamar do que está em mau estado.

Se voltar aos correios para reenviar aquilo que não nos interessa pode ser mesmo muito chato, ficar com objetos ou roupas parados em casa e dinheiro empatado é ainda pior! 

 

- Ter em atenção as fotos, as informações e as opiniões sobre os artigos: 

Quando escolhemos comprar algo online devemos sempre ter em atenção as fotos apresentadas, as informações que são dadas (composição, conselhos de utilização ou de lavagem...) e as opiniões de quem comprou o artigo. 

Estes pequenos passos podem ajudar-vos na hora de escolher algo que realmente vos agrade e não ter de ir ao correio reenviar o já receberam... 

 

- Ter em atenção os prazos de entregas:

Olhar sempre para o prazo de entrega prevista, a disponibilidade e a proveniência dos artigos é fundamental para termos uma ideia de quando ele estará connosco e se vale a pena comprar ou não tendo em conta a nossa própria urgência em recebê-lo. 

 

- Pagamentos Seguros: 

A fiabilidade do site é importante na hora de pagar. Por isso tenham alguns cuidados e desconfiem sempre que algo vos parecer estranho. Em caso de dúvidas um cartão virtual pode ser uma solução e um seguro de cartão de crédito pode também não ser uma má ideia; 

 

- Fazer um print-screen do ecrã de "pagamento aceite": 

Normalmente quando o nosso pagamento foi realizado com sucesso somos redireccionados para uma página que nos informa dos dados da encomenda. Apesar de recebermos quase sempre um mail com essa mesma informação prefiro sempre fazer um print-screen dessa página como prova de compra caso haja algum problema com o email ou com o pagamento em si;

 

- Acumular compras: 

Esta dica é um bocadinho pessoal e nem sempre funciona mas, sempre que possível, acumulo compras na mesma plataforma. Isso permite-me poupar nos portes de envio e no transporte da minha encomenda; 

 

- Ao mínimo sinal de problema com a entrega ou a encomenda entrar imediatamente em contacto com o apoio a cliente:

E isso deve ser feito imediatamente ao momento da receção, com fotos em apoio e, em momento algum, devemos aceitar quando nos dizem para ligarmos nós para a transportadora sem a intervenção do vendedor. 

 

- Prever as despesas alfandegarias: 

A não esquecer que artigos que vem de fora da UE podem estar sujeitos a despesas alfandegárias, algumas delas extra. Por isso, e para evitar dissabores, prevejam essa possibilidade e pensem sempre se aquele artigo daquela proveniencia é assim tão vital ou se podemos passar com outra coisa!

 

E por aí quais as vossas dicas para realizar boas compras online? São mais team online ou team loja?

Um grande beijinho e até ao próximo post!

pickawood-gf8e6XvG_3E-unsplash.jpgPhoto by Pickawood on Unsplash

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

 

"Não ligues" - 3 Razões pelas quais eu já não a ouço

Dizemos "não ligues" quando queremos que o (aparente) bom ambiente se mantenha e ensinamos as crianças desde pequenas a fazer o mesmo. Talves hoje as coisas tenham mudado mas não necessariamente pelas boas razões.

Eu e uma grande parte da minha geração ouviu esta frase vezes sem conta. Aliás ainda hoje tenho direito a ela, apesar do enorme descontentamento que ela me provoca e que nem me esforço de esconder. 

No entanto nem sempre foi assim. Era do género a fingir "não ligar" e foi isso que me fez perceber que,  apesar de parecer uma boa ideia, ele só serve para nos deixar mal na nossa pele. 

Hoje em dia a minha estratégia é totalmente diferente. Recebo o comentário e, depois de o ter processado, decido se quero responder ou não e como o quero fazer.

Claro que, como não sou nenhuma santa, isto também abriu a possibilidade de nem sempre dar uma resposta tão educada como deveria mas acho que a minha qualidade de vida e amor próprio aumentou muito graças a isso. 

O que me fez deixar de ouvir esta mítica frase do "não ligues" foram essencialmente três razões.

Deixo a ressalva de que estas opiniões são pessoais e que se algum de vocês funcionar bem com este tipo de pensamento tiro-vos o chapéu. No meu caso, e em toda a honestidade, esta forma de pensar não funciona e este blogue é também sobre nem sempre fazer o que se espera de nós desde que nos sintamos bem connosco próprios. 

 

- Recuso-me a dar mais tempo de antena ao assunto:

Quando tento "não ligar" a uma provocação apenas a estou a deixar em segundo plano na minha cabeça. Ora de que me serve não dar atenção a um comentário que me faz mal mas passar o resto do dia a ruminar? 

Para isso mais vale ou escolher conscientemente ignorar ou, em casos mais prolongados ou graves, colocar um fim imediato e resolver assim o assunto de uma vez por todas. 

Há consequências? Como em tudo na vida... mas usando um velho ditado "enquanto o pau vai e vem folgam-se as costas". 

 

- Não quero dar a possibilidade ao outro de ganhar um ascendente sobre mim:

Recentemente a filha de uma colega na escola foi vitima de patifarias por parte de umas coleguinhas. A primeira reação da família foi o famoso: "não ligues".

Mais tarde a mãe, depois de ler sobre o assunto, contou-me que o autor do livro defendia que nunca responder a uma agressão dá a sensação ao agressor de que não tem limites e que pode fazer tudo o que quer. E quanto mais se deixa evoluir a história mais a criança terá dificuldade em se safar dela. 

Não sou especialista em comportamento humano mas conheço um número razoável de pessoas firmes e retas para perceber que isto é bem verdade.

E o mais engraçado é que muitas dessas pessoas são bastante agradáveis e bem educadas a impor os seus limites. Lá se vai a teoria dos nossos pais de que quem responde é mal educado, não é? 

 

- Exijo respeito: 

Sei que estamos na era das ofensas por pouca coisa e que temos de relativizar um pouco a vida. Mas a verdade é que há coisas que nos fazem realmente mal e são gratuitas e essas nunca devem ser ignoradas. 

Por isso, quando recebo um comentário que saí daquilo a que estou disposta a aceitar não finjo que não ouvi. Respondo nem que seja de uma forma jovial para mostrar à outra pessoa que recebi a mensagem mas que esse assunto não é do foro público e não o quero discutir com ela. 

 

Posto isto gostaria de deixar outro pequeno ponto que me parece importante.

Quanto mais dizemos a alguém para não ligar mais corremos o risco de lhe passar a imagem de que os seus sentimentos não interessam. E isso não lhe vai ser útil em nada salvo em prejudicá-la. Sobretudo quando falamos de crianças e adolescentes. 

E por aí: adeptos do "nao ligues", do tipo "agressão-reação" ou, tal como eu agora, tentam escolher conscientemente as vossas batalhas e não se deixar envenenar?

nao ligues.jpg

Photo by Daniel Mingook Kim on Unsplash

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

 

5 Vantagens de Ter um Blog

O Crónicas é uma das minhas paixões.

No entanto, tal como muitas outras coisas de que gostamos na vida, tenho momentos em que me canso, em que não consigo escrever ou onde me aborreço. Mas, mesmo forçando a barra de vez em quando, aqui continuo, persistente (e embirrante, às vezes). Porque me faz bem e porque adoro partilhar convosco. 

Ao longo dos anos vi muitos e bons blogs desaparecerem em prol de outras formas de comunicação. E o meu objetivo hoje é mostrar-te 5 boas vantagens de ter um blog... e porque é que é tão bom continuar por cá! 

Preparados?

 

- Uma boa forma de praticar a escrita:

A expressão escrita precisa de investimento e de treino, muito treino. E escrever num blog é uma excelente maneira de melhorar esta capacidade já que para além da escrita temos de ter em atenção a compreensão de quem nos lê do outro lado. E escrever mais e melhor nunca é uma perda de tempo! 

 

- Uma excelente razão de aprender coisas novas (ou aperfeiçoar outras):

Um blog necessita quase sempre de algum conhecimento de causa e é a "desculpa perfeita" para nos podermos debruçar sobre aqueles assuntos que nos interessam e que nos sentimos meio culpados por explorar. Lifestyle, moda, vida saudável, ecologia ou o que quer que seja são daqueles temas onde algum trabalho de "back office" tem de ser feito... 

 

- Dá-te um verdadeiro "jogo de cintura": 

Os blogs, tal como outras redes sociais, são alvo de comentários maldosos de vez em quando. O facto de estarmos protegidos pelo computador (e pelo "nome de código" como é o meu caso) permitem-nos levar as criticas como elas são: opiniões das quais tiramos o interessante e mandamos fora o que não nos interessa. E isso é fundamental até para a nossa vida real... 

 

- Resiliência e Persistência: 

O trabalho e o esforço envolvido não são sempre recompensados com muitas visitas ou com muitos destaques, especialmente no início. Mas é um caminho que se faz caminhando e precisamos de ser resilientes e perseverantes para o levar a bom porto. E isso é mais uma excelente razão de ter um blog...

 

- Partilhar com pessoas fantásticas:

Este Mundo da blogoesfera permite-nos conhecer gente maravilhosa, mesmo que nao seja pessoalmente. E numa altura onde precisamos tanto de boas relações a sua boa disposição e bondade valem ouro!

 

E para vocês, qual é o principal benefício de (ainda) ter um blog?

 

Um grande beijinho e até ao próximo post! 

sincerely-media-ylveRpZ8L1s-unsplash.jpg

Photo by Sincerely Media on Unsplash

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais visitados

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub