Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas da Cidade dos Leões

Um Blog que começou por ser um diário e que cresceu para algo mais. Por aqui os temas vão do desenvolvimento pessoal ao bem estar sempre com dicas e reflexões a propor. Sê bem vindo e se te agrada: segue! :)

Crónicas da Cidade dos Leões

Um Blog que começou por ser um diário e que cresceu para algo mais. Por aqui os temas vão do desenvolvimento pessoal ao bem estar sempre com dicas e reflexões a propor. Sê bem vindo e se te agrada: segue! :)

Dom | 16.02.20

Reflexão de Domingo à noite

Nala

Esta tarde, pelos corredores do hospital, fui abordada por um senhor que, de forma muito gentil, me perguntou se sabia onde se devia dirigir pois procurava o irmão que tinha sido transferido para o serviço de cuidados intensivos no seguimento de um acidente de viação. 

Indiquei-lhe o caminho a seguir e fiquei a vê-lo partir: cabisbaixo e muito preocupado. 

Nunca me vou habituar à forma como a vida humana pode mudar tanto dentro de um hospital. Podemos ter os melhores médicos do Mundo, os melhores meios técnicos e humanos que, por vezes, e por mais que corramos contra o tempo, a vida insiste em mudar de um dia para o outro, deixando sequelas, cicatrizes ou, por vezes, apenas a memória de alguém muito amado. 

Não sei em que condições aquele senhor teve o acidente mas conheço o suficiente do meio hospitalar para compreender que a situação é bastante crítica, tendo em conta a especificidade do serviço em causa. 

Não o conheço, não sei quem é, o que faz ou porque pegou no carro esta manhã. Mas uma coisa é certa: a vida pregou-lhe uma partida, qual menina travessa... 

São tantas as horas que passamos a trabalhar em algo que não gostamos ou num emprego que não nos corresponde, para termos dinheiro para pagar contas e comprar coisas que, muitas vezes, só servem para provar alguma coisa a alguém. 

Perdemos um tempo precioso chateados com quem gostamos, afastados dos nossos amigos e família e envenenados por um dia a dia caótico e rotineiro, sem termos tempo para fazer o que gostamos e sobretudo sermos quem queremos.

Gastando energia a dizer que sim a coisas que queriamos dizer que não apenas para não parecer mal e a ter a sensação de que nem sempre vivemos a 100 por cento porque de tão cansados que estamos de tudo desleixamos os nossos projetos e sonhos.

E depois disso vêm a vida, que baralha todas as cartas e que se altera de uma forma drástica e por vezes irreversível.

E nós que desperdiçamos tanto tempo a fazer o que não queriamos e sem ser quem queriamos... apenas porque não conseguimos ver que depressa tudo muda e nunca mais nada será como dantes!

olga-kononenko-zQEmEAb-WpY-unsplash.jpg

Photo by Olga Kononenko on Unsplash

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

 

 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.