Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas da Cidade dos Leões

Um blog que adora partilhar dicas e reflexões sobre lifestyle, descobertas e organização. Sejam Bem Vindos!

Crónicas da Cidade dos Leões

Um blog que adora partilhar dicas e reflexões sobre lifestyle, descobertas e organização. Sejam Bem Vindos!

Dom | 03.01.21

Os Quatro Acordos Toltecas

Nala

Olá a todos!

Em primeiro lugar fico feliz por vos encontrar neste ano de 2021!

Aproveito a ocasião para vos desejar um excelente Ano Novo cheio de saúde, paz e amor e que todos os momentos menos bons (porque os haverá) sirvam para nos fazer crescer e aprender.

E foi neste espírito de crescimento que li o livro "Os quatro acordos toltecas" (a) de que hoje vos quero falar. 

Este livro estava na minha lista há já alguns anos mas nunca tinha tido a possibilidade de o ler .

Não é de todo uma novidade pois já foi escrito em 1997, mas voltou "à berra" há apenas alguns anos atrás. Foi escrito por Don Miguel Ruiz, um professor e "xamã" mexicano que publicou várias obras literárias sobre a cultura tolteca.

Os toltecas eram um povo nómada que se desenvolveu no México entre os anos 900 e 1200 da nossa era. Eram conhecidos como "artistas" ou "construtores" e são conhecidos por serem os "pais" de todas as outras culturas. 

No seu livro, o autor defende que cada um de nós cumpre os "acordos" que fez consigo mesmo, com os outros, com Deus ou com a vida e dos quais nem sempre nos damos conta. O livro convida-nos a substituir pouco a pouco cada um desses acordos, que nem sempre nos fazem bem, pelos quatro acordos (ou compromissos)* toltecas. 

Vamos abordá-los já de seguida: 

 

- "Que a tua palavra seja impecável":

Na cultura tolteca a palavra é conhecida como uma arma poderosa e por isso devemos utilizá-la com cuidado.

O autor convida-nos a refletir sobre a forma como falamos com os outros mas também conosco e sugere-nos que a utilizemos de uma forma exemplar, dizendo sempre a verdade e usando sempre a palavra com amor e sabedoria. 

 

- "O que quer que aconteça não o leves no sentido pessoal":

Não temos a responsabilidade dos atos dos outros. O que cada pessoa escolhe dizer ou fazer depende apenas de si própria, dos seus medos e escolhas. 

 

- "Não faças suposições":

Este livro leva-nos numa reflexão sobre a necessidade de fazer as perguntas necessárias e de exprimir exatamente o que queremos. 

 

- "Dá sempre o teu melhor":

Ninguém é obrigado a ser perfeito mas devemos sempre ter consciência de que, naquele momento, fizemos o melhor que podiamos com as circunstâncias existentes. 

 

Pessoalmente achei estes pontos interessantes não no sentido do julgamento de si mesmo, porque nem somos capazes de cumprir tudo bem o tempo todo e muito menos somos santos, mas como um pequeno filtro para momentos de crise e quando temos escolhas a fazer. 

Em todos os casos este resumo não passa disso mesmo e deixo-vos o convite, caso o tema vos interesse, de lerem o livro na integralidade. 

E por aí, já leram este livro ou nem nunca tinham ouvido falar? 

Um grande beijinho e até ao próximo post. 

Notas:

Fonte para a definição de toltecas e a bibliografia de Don Miguel Ruiz: Wikipédia

*Acordos Toltecas ou Compromissos Toltecas são dois nomes possíveis para o livro e depende apenas da tradução

(a) Esta ligação NÃO é uma afiliação. 

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

 

 

 

12 comentários

Comentar post