Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas da Cidade dos Leões

Um Blog que começou por ser um diário e que cresceu para algo mais. Por aqui os temas vão do desenvolvimento pessoal ao bem estar sempre com dicas e reflexões a propor. Sê bem vindo e se te agrada: segue! :)

Crónicas da Cidade dos Leões

Um Blog que começou por ser um diário e que cresceu para algo mais. Por aqui os temas vão do desenvolvimento pessoal ao bem estar sempre com dicas e reflexões a propor. Sê bem vindo e se te agrada: segue! :)

Qui | 23.01.20

Desta vez cansei...

Quando não se pode ajudar quem não quer!

Nala

Nem sempre sou a amiga perfeita. Mas sou esforçada e acho que raras foram as vezes em que "faltei" a um amigo quando ele estava mesmo mesmo no fundo. 

Tenho, no entanto, uma certa tendência a ter amizades que acabam por me desiludir pela simples e boa razão de que espero um comportamento equivalente ao meu e de que isso nem sempre acontece. Algumas, as boas, mantém-se apesar disso e depois de uma longa conversa. Outras, aquelas que são pouco "fiéis" esvanecem-se com a situação. 

Foi o que acabou por acontecer com a J.. 

A J. é minha amiga há muitos anos, desde a escola primária para ser mais precisa.

Anos a fio de brincadeiras, de conversas, de crescimento... ao longo dos anos fomo-nos afastando: Eu que sempre quis cortar o cordão umbilical e ela que se negava a isso com todas as forças. Mas mesmo assim, na minha cabeça, essas diferenças eram superáveis. 

Ao longo dos anos a J. foi-se afastando de toda a gente, ou foi afastando as outras pessoas dela, muito devido ao comportamento de de vitimização constante e ao facto de desconhecer a importância de "fazer um esforço".

Vive entre as saias da mãe e as do namorado, entre um trabalho que mal-diz e uma incapacidade total a tomar qualquer decisão em relação a tudo: desde a roupa que vai vestir ao procurar ser independente. 

Foram muitas as vezes em que, ao longo dos anos, convidei a J. para beber um café ou lanchar: nunca tinha tempo ou porque estava a trabalhar ou porque ia sair com a mãe.

Das poucas vezes que a encontrei contou-me os mesmos problemas que já duram à 10 anos e que, para cada solução apresentada, ela arranja duas desculpas para a tornar inviável. 

Da última vez que lhe falei, a J. ligou-me porque precisava de conselhos em relação ao trabalho. Nesse dia estava doente, com febre, e mesmo assim ouvi-a até às tantas da noite.

Foram mais de duas horas em que repetia para si mesma as desculpas esfarrapadas que se conta. E eu ouvi, e ouvi... Depois disso nem uma palavra, nem mesmo quando lhe perguntei se tinha resolvido a questão... 

Agora mandei-lhe o convite para o casamento... sinceramente nunca esperei que estivesse presente apesar de isso me fazer imensamente feliz. Várias mensagens a pedir confirmação e nenhuma resposta. 

Desta vez cansei... e a J. vai ficar ainda mais sozinha no Mundo. Porque, por muito que compreenda que a sua vida seja difícil, não posso ajudar nem aconselhar quem nem quer ajuda nem se lembra de mim quando posso ser eu a precisar. 

freshh-connection-ZyhjHpICm0E-unsplash.jpgPhoto by Freshh Connection on Unsplash

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

24 comentários

Comentar post

Pág. 1/2