Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas da Cidade dos Leões

As histórias, o dia a dia e as experiências de uma Portuguesa, expatriada em Lyon (França). Porque a nossa casa é onde nos sentimos bem... e onde somos felizes!

Crónicas da Ascenção

30.05.19 | Nala

A Quinta Feira da Ascenção é dia de feriado municipal na minha terra natal e, apesar de não o passar por lá há muito tempo, continuo a festeja-lo. 

Neste dia existe, por terras ribatejanas, a tradição de "ir apanhar a espiga". A espiga consiste num ramo composto por várias espigas, flores do campo e raminhos de oliveira e videira. Acreditasse que aquele raminho deve ser seco e guardado durante o ano para trazer boa sorte. 

Cada componente da espiga têm uma representação diferente: o trigo representa o pão, o malmequer o dinheiro, a papoila o amor, a oliveira a paz, o alecrim a saúde e a videira a alegria. Podem juntar-se outras flores ou espigas dependendo da tradição local e dos hábitos familiares. Ou até se pode juntar uma qualquer flor simplesmente porque é bonita. 

E desengane-se quem acha que a cumpríamos como uma qualquer outra tradição aborrecida que mantínhamos para agradar aos nossos avós. Em crianças era uma festa seguir, em família, pelos caminhos campestres e a fazer os quilómetros necessários para encontrar tudo o que era preciso. Ninguém se queixava do cansaço tal era a vontade de ter um ramo completo. 

Mais tarde, na adolescência, tornou-se um dia para passar com os amigos. Fazíamos piqueniques, participávamos nos peddypappers que eram organizados pelas coletividades da terra, jogávamos à bola e passávamos horas a rir e a brincar aproveitando o dia até ao pôr do Sol.

Eu, que nem sou assim tão saudosista, morro de saudades deste tempo 

 

7 comentários

Comentar post