Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas da Cidade dos Leões

Um blog que adora partilhar dicas e reflexões sobre lifestyle, descobertas e organização. Sejam Bem Vindos!

Crónicas da Cidade dos Leões

Um blog que adora partilhar dicas e reflexões sobre lifestyle, descobertas e organização. Sejam Bem Vindos!

Como lidar com uma equipa tóxica

8 dicas que me ajudaram a lidar melhor com eles... e comigo!

Ao longo destes últimos meses falei-vos inúmeras vezes dos meus colegas de trabalho. Não porque os adore mas porque me deixei muitas vezes levar pela má influência que o grupo exercia sobre mim. 

As coisas estiveram muitas vezes tensas e eu, mais vezes do que as necessárias, à beira de um ataque de nervos. Acabei por recorrer por isso a uma psicóloga e colocando várias vezes a hipótese de mudar de emprego.  

Apesar de ter algumas propostas em vista, passei por grandes indecisões mas decidi manter o emprego atual e iniciar uma batalha quase titânica contra tudo aquilo que me assustava a esse nível.

E uma das coisas com que tive de aprender a lidar foi com uma equipa que funciona como um "rebanho", onde um ou dois dão o "mote" e todos os outros falam por eles.

Muito mais do que com o trabalho bem feito ou o desenvolvimento de novos projetos, o tema principal é a vida alheia.  

Hoje trago-vos algumas estratégias que pus em prática ao longo dos últimos meses e me permitiram não só encontrar paz de espírito mas sobretudo não me deixar "enrolar" pelo ambiente tóxico da equipa e assim manter a minha sanidade mental.

Especialmente desde que ele mudou de trabalho e eu fiquei meio que "entregue aos bichos" com esta mudança.  

Espero que gostem e que vos ajude, se também vocês precisaram de fazer frente a um colega tóxico... ou a uma equipa inteira! 

1) Trabalha a auto-confiança: Uma das razões pelas quais as horas de almoço eram as mais difíceis do dia para mim era o facto de sentir que precisava de fazer o mesmo que todos faziam. Aprendi à minha própria custa que isso não me trouxe nada de bom, antes pelo contrário: deixou-me esgotada e insegura, sempre com receio de que aquilo que ouvisse dizer dos outros fosse o que diriam de mim na minha ausência.

Quando decidi começar a trabalhar a minha auto-confiança comecei a criar as minhas próprias rotinas e a aperfeiçoar a minha organização pessoal e de trabalho, primeiro a medo e depois até chegar ao ponto em que só assim faz sentido e a opinião alheia não interessa. 

2) Não tenhas problemas em dizer o que te incomoda: Durante muito tempo calei, mesmo quando me sentia injustiçada ou prejudicada. Com o tempo percebi que se continuasse assim as coisas só se iam agravar. 

Não sou do género "conflituoso" e tenho uma certa necessidade em sentir-me apreciada. Por isso, e a conselho de uma amiga, decidi começar a usar o bom humor para dizer o que me parecia incorreto.

A partir daí a minha "qualidade de vida" melhorou muito pois "meti muitos pontos nos is" e criei limites às atitudes dos outros em relação a mim, ao meu trabalho e à minha vida.

3) Lembra-te de que "Vozes de burro não chegam ao céu"- As pessoas falam por tudo e por nada, tenham razões para isso ou não. É um facto que nos é completamente alheio e sobre o qual não temos a mínima possibilidade de intervenção.

Aquilo que está ao nosso alcance é decidir que isso não nos vai incomodar. Lembra-te que ninguém agrada a toda a gente e que a única pessoa a quem tu tens o dever de agradar sempre é a ti mesmo. 

4) Repete-te as vezes que forem necessárias que "Presunção e água benta cada um toma a que quer"- Muitas pessoas acham que estão sempre certas e que os outros estão sempre errados. E depois há os outros que acham que os outros estão sempre certos e que eles estão certos porque repetem, passo-a-passo, os passos dos outros.

Durante muito tempo isto incomodou-me  e deixei-me convencer pelas críticas destrutivas, especialmente em áreas onde me sentia menos à vontade. 

Com alguma determinação e força de vontade investi nessas áreas e aí tive uma das melhores revelações da minha vida: Eu posso ter menos experiência ou posso trabalhar de maneira diferente mas isso não implica que esteja errada.

Por isso quando te fizerem sentir que estás errado faz uma auto-avaliação, aprende, esforça-te mas não permitas que te façam acreditar que és incapaz ou incompetente.

Ninguém nasce ensinado e ninguém faz exatamente as coisas da mesma maneira. E ainda bem! 

5) Rodeia-te de gente que te faz bem: Mesmo que te entendas menos bem com a tua equipa existem, de certeza, algumas pessoas dentro da empresa que te podem dar o apoio e partilhar conhecimentos e práticas que te vão fazer evoluir. Dá-lhes uma oportunidade e rodeia-te dessas pessoas.

Perceberás que não estás sozinho e que tens muito para dar. 

6) Mantém uma atitude profissional: Por muito que a tua relação com os teus colegas não seja a melhor tenta melhorar a comunicação com eles e, dentro das tuas necessidades, envolve-os nos projetos que lhes dizem respeito.

Eles podem reclamar, dizer mal de ti mas se o teu trabalho é exímio podem acusar-te de não participar nos "after works" mas nunca de "atrasares o trabalho da equipa".

O que é que te interessa mais?

7) A tua vida pessoal é pessoal: Há coisas que somos obrigados a partilhar com os colegas de trabalho quer queiramos quer não: um casamento que se aproxima, uma doença, a morte de um ente querido... Mas não precisamos de lhes dar mais informações do que aquelas que são necessárias. 

Se te dás lindamente com a tua equipa, ou com um colega em particular, e quiseres partilhar a tua vida inteira com ele nada contra.

Mas se, pelo contrário, a equipa têm tendência a usar o que dizes para falar de ti nas tuas costas partilha apenas aquilo que não te incomoda que se saiba.

O que for realmente importante a teus olhos partilha antes com os teus amigos e família e evita de dar azo a conversas no trabalho. 

8) Sê tu próprio: Esta é talvez a maior conclusão a que cheguei: Escolhe as tuas batalhas e o que te motiva, faz o que achares mais correto e não desleixes nunca o teu profissionalismo.

Quanto mais te fechas para te proteger ou, pelo contrário, abres as portas da tua mente para te sentires acolhido mais ficarás dependente das atitudes dos outros. 

Se pelo contrário decidires ser tu próprio, aceitares que vai haver sempre alguém decidido a apontar-te o dedo e souberes exatamente onde queres chegar nada te abalará. 

Espero que este post não vos seja de utilidade nenhuma, mas se de alguma maneira também tu precisares de uma certa dose de coragem para enfrentar as "más linguas laborais", não deixes de te apoiar nele.

Todas estas dicas foram colocadas em prática por mim e só ganhei com isso. Cresci como profissional e como pessoa e reforcei mais ainda a minha confiança e auto-estima. 

Fico a aguardar também os vossos feedbacks e as vossas estratégias para lidar com colegas tóxicos. Não deixem de os partilhar aqui nos comentários. 

andrew-neel-fkalryO4dUI-unsplash.jpg

Photo by Andrew Neel on Unsplash

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

 

 

 

12 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais visitados

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub