Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas da Cidade dos Leões

Um blog que adora partilhar dicas e reflexões sobre lifestyle, descobertas e organização. Sejam Bem Vindos!

Crónicas da Cidade dos Leões

Um blog que adora partilhar dicas e reflexões sobre lifestyle, descobertas e organização. Sejam Bem Vindos!

25/02/2022

Sentada no sofá, com um chá na mão, é impossível não refletir aos acontecimentos destes últimos anos. Como todos os anos que ficaram marcados na história, continuamos a lidar em primeira mão com os acontecimentos que lhes dão origem. 

Em primeiro chegou uma pandemia que nos tornou escravos de restrições e de medos, que impediu toques e beijos e depois um possível conflito armado tão perto de nós e que nos deixa a todos num estado de ansiedade e desassossego. 

Não falo da Ucrânia nem da Rússia, nem da Crimeia nem dos tratados rompidos porque sei que os meus conhecimentos em geopolítica são escassos e não me apetece ser mais uma a deitar palpites para o ar. Que comente quem sabe...

No entanto, enquanto se partilha nas redes sociais palavras de apoio à Ucrânia e apelos à paz não consigo deixar de olhar com curiosidade para quem está por trás de cada clique. 

Todos os dias nos deparamos, e entramos, em pequenas guerras pessoais. São os mexericos no trabalho, a tentativa de influenciar a opinião de outrem ou mesmo o olhar para o lado perante as dificuldades de outra pessoa (se não é comigo porque me meto?). 

A verdade é que nós, comuns mortais, podemos fazer pouco pela Ucrânia, pelo Afeganistão ou por todos os outros países que estão, estiveram e estarão em guerra. Somos demasiado pequenos para isso e os nossos atos de pouco servem assim como as nossas palavras.

Mas continuamos a deter algo de maravilhoso e que pode acabar com muitas guerras, a começar pelas do dia a dia: o amor aos outros, o levantar a voz na altura certa e a não calar perante uma injustiça, o educar as crianças e jovens que conhecemos nesse sentido.

Porque a nossa única arma é a de ser solidário com quem está perto de nós, é de mostrarmos compreensão com quem está triste e empatia por quem parece estar fora do seu lugar neste mundo de loucos onde nós vivemos mas que, para o bem ou para o mal, é o nosso. 

Não gosto da frase "Não aprendemos nada"... porque aprendemos e muito ao longo dos anos... simplesmente esquecemos tudo com demasiada rapidez e teimamos em querer apagar e esquecer as partes dolorosas da nossa história... talvez porque sejam dolorosas e nós não gostamos, nem sabemos, lidar com a dor e as feridas abertas.

Que cada um de nós possa plantar todos os dias uma semente de amor, por mais pequena que seja, e que a paz cresça e se expanda por este Mundo fora. 

Que hoje seja o dia de arregaçarmos as mangas e passarmos à ação. 

javardh-FL6rma2jePU-unsplash.jpg

 

6 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais visitados

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub