Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Crónicas da Cidade dos Leões

Um Blog que começou por ser um diário e que cresceu para algo mais. Por aqui os temas vão do desenvolvimento pessoal ao bem estar sempre com dicas e reflexões a propor. Sê bem vindo e se te agrada: segue! :)

Crónicas da Cidade dos Leões

Um Blog que começou por ser um diário e que cresceu para algo mais. Por aqui os temas vão do desenvolvimento pessoal ao bem estar sempre com dicas e reflexões a propor. Sê bem vindo e se te agrada: segue! :)

Seg | 29.06.20

Medo da Mudança

Nala

Ter medo da mudança é humano. É uma reação normal do nosso cérebro que tem como objetivo a nossa proteção.

O que não é normal é que o medo de mudar nos paralise e nos impeça de avançar no nosso caminho. Nem sempre a mudança (pelo menos a mudança extrínseca) é mesmo necessária mas é preciso enfrenta-la quando ela é precisa. 

Dou-vos um exemplo muito pessoal: sou daquelas que têm um medo de errar desgraçado.

A minha estratégia foi, perante algumas situações bem aterrorizantes como ter passado pela aventura da emigração sozinha, esconder de mim mesma esse medo. Ele estava lá mas eu evitava pensar nele e isso ajudava-me a enfrentar as coisas. 

Esta estratégia durou algum tempo mas fui perdendo essa capacidade de omissão à medida que fui crescendo e que as responsabilidades e a própria qualidade de vida aumentaram.

Hoje faço os possíveis para enfrentar o medo, o que nem sempre é fácil e nem fica mais fácil com o tempo...

Para isso tento refletir e perceber e antecipar a mudança através dos seguintes pontos: 

- Perceber porque quero mudar:

Durante a semana, a Luísa publicou um texto sobre a Felicidade.

Curiosamente fomos vários os comentadores deste post que falamos de como muitas vezes vamos atrás de uma "felicidade" enganadora e deixamos de lado a "felicidade madura e confortável" que já existe na nossa vida, mas da qual nem nos apercebemos. 

O que quero dizer com isto é que é importante ser sincero consigo próprio em relação à vontade de mudar: se o fazemos por nós ou pelos outros, se pretendemos melhorar alguma coisa ou simplesmente mudar porque "é preciso mudar de vez em quando".

Chegando a essa conclusão verás se tens apenas medo ou se a mudança que precisas é a mudança de ti mesmo e não das circunstâncias. 

 

- Racionalizar o medo:

Ter medo é natural e a melhor forma que eu encontrei de o controlar é de o racionalizar. No entanto, e como dizia o Gonçalo num outro post durante esta semana (sim, sim... o Sapoblogs andou cheio de pepitas de ouro) "nem tudo é tão mau como parece".

Dizer-me que é normal estar assustada, calcular os riscos e procurar planos B na minha cabeça são boas formas de acalmar o turbilhão; 

 

- Comparar o pior que pode acontecer com o momento atual:

(Esta para mim funciona muito bem!) 

Quando ponho na balança o meu momento atual e comparo com o que pode acontecer de pior na minha mudança normalmente consigo encontrar boas respostas. 

 

- Quando começam as dificuldades estamos a caminhar para a mudança:

Uma mudança é sempre difícil. Em primeiro porque é uma renúncia e depois porque é um passo para o desconhecido

Enfrentar as dificuldades como pontos de aprendizagem e saber que o caminho vai ser sinuoso vai ajudar-te a enfrentar as coisas com mais ânimo. Por isso se queres mesmo ir em frente, não desistas! 

 

E por aí, quais as vossas estratégias para lidar com o medo da mudança? Não deixem de partilhar nos comentários, que tenho a certeza serão enriquecedores! 

medo da mudança.jpgPhoto by Bram. on Unsplash

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

 

Dom | 28.06.20

8 (grandes) vantagens de ser baixinha

Nala

Há já muitos anos que o meu 1,52m são motivo de riso e de piadas. Quando ninguém me faz a pergunta da praxe do "como está o tempo aí em baixo?", sou eu própria que abro as hostilidades. 

Sinceramente tenho muitos complexos mas a minha altura não é, de facto, um deles. Ou deixou de ser quando percebi que de nada me valia não aceitar isso. 

E é por isso que partilho convosco, especialmente as miúdas pequenas como eu, as 8 enormes vantagens de ser baixinha. Venham daí!

 

Vantagem n.º 1: Temos espaço que chegue

Por muito apertado que seja o espaço entre os assentos do avião ou a cama, isso não nos causa qualquer transtorno!

 

Vantagem n.º2: Ninguém se importa se usamos saltos altos

Seja numa saída com as amigas ou num encontro amoroso podemos estar sempre fantásticas e maravilhosas em cima dos nossos saltos altos, sem que ninguém se sinta "inferiorizado". 

 

Vantagem n.º 3: Uma minissaia fica sempre confortável

O tamanho é o ideal para fazermos o que quisermos sem nos arriscarmos a mostrar "demais". 

 

Vantagem n.º 4: Somos particularmente astuciosas no que toca a pegar coisas muito altas

Nunca nos enrascamos quando queremos pegar em alguma coisa muito acima da nossa cabeça: seja um banco, o móvel da cozinha ou um chapéu de chuva opções e estratégias não nos faltam. 

 

Vantagem n.º 5: Não precisamos de nos baixar para cumprimentar ninguém...

... são os grandes que o fazem!

 

Vantagem n.º 6: Ficamos sempre à frente nas fotos de grupo

 

Vantagem n.º 7: Parecemos sempre mais novas

Bem... depende da nossa real idade também... e de outros fatores. Mas que ajuda, ajuda!

 

Vantagem n.º 8: Não precisamos de fazer muita atenção à cabeça

É quase impossível encontrar um teto que seja mais pequeno do que nós. 

 

E daí desse lado são TeamBaixinho ou TeamAltinho? 

Entretanto vão seguindo as aventuras e desventuras da vossa Nala, que não pode ficar em casa, pelas redes sociais (no Instagram, no Facebook  e no Pinterest).

Imagem: Revista Gauchazh

Sex | 26.06.20

10 Coisas de que gosto mais em Portugal do que em França

Nala

As diferenças entre paises podem ser imensas e, mesmo tendo uma raíz comum, há grandes diferenças entre Portugal e França.

Como é óbvio há coisas de que gosto mais de um lado, há coisas de que gosto mais de outro e achei que isso poderia ser engraçado de comentar aqui dando "pano para mangas" no que a posts diz respeito. 

Hoje trago-vos 10 coisas de que gosto mais em Portugal do que em França

Não esqueçam de me deixar o vosso feedback nos comentários e também se gostam deste tipo de conteúdo.

Também gostava de saber se alguma destas coisas vos surpreendeu e se, tal como eu, vivem ou viveram em França qual a vossa percepção de cada um destes pontos. 

'Bora lá!

- Peixe Fresco: Como alguém que dá muito valor à comida o peixe é das coisas que mais tenho saudades!

Em primeiro lugar por aqui o preço do peixe fresco é muito elevado (mesmo tendo em conta os salários mais altos) e depois a qualidade nem sempre está presente. 

 

- "Beber Café": Em França, de uma forma geral, as pessoas não têm o hábito de parar num café antes de ir para o trabalho ou à hora de almoço.

Claro que há quem passe numa esplanada para beber um copo no fim do dia ou mesmo ao fim de semana mas ir ao café "beber um café" é algo muito pouco habitual. Ler o jornal então nem se fala... 

 

- Pão: Apesar de ser o pais da "baguette" a verdade é que o pão na maior parte dos comércios em França (especialmente nas grandes cidades) é bastante fraco.

Em Portugal temos normalmente mais variedade, mais quantidade e com melhor qualidade mesmo nos supermercados mais pequenos. 

 

- Proximidade do Mar: Este ponto aqui não é exatamente igual para todas as pessoas que vivem em Portugal pois depende da zona do pais onde se vive mas, de uma forma geral, todos os portugueses podem ver o Mar com bastante frequência. Por aqui a distância pode ser superior a 7h de carro... 

 

- Simplicidade Portuguesa: O Português é, por norma, mais "simples" na sua forma de estar e por isso torna-se extremamente doce.

Às vezes chega a cair no extremo de achar que tudo aquilo que se faz em Portugal não presta ou que o pais só tem coisas más (ou em todo o caso piores do que os outros paises).

Já os franceses são muito mais "seguros de si mesmos". E todos, desde a comunicação social à publicidade passa a imagem de que a França está à frente do resto da Europa em tudo, o que nem sempre é verdade.

Por exemplo a nível da gestão do COVID 19 foi dado muito mais foco aos números dos outros paises e muito menos aos números em França que, portanto, foram enormes!

 

- Filmes em Versão Original: Por aqui tudo o que passa na televisão é dobrado em francês e, na maioria das sessões de cinema, os filmes também.

E não é incomum estares dentro da sala quando te apercebes que te enganaste na sessão que querias ver e que o Brad Pitt vai ter voz de tudo menos de Brad Pitt

 

- Caixas multibanco: Em Portugal é normal encontrarmos caixas multibanco em tudo quanto é sítio. Ainda para mais podemos fazer fazer pagamentos, transferências, etc.

Em França as caixas multibanco são pouco comuns e as suas funções limitam-se a fazer levantamentos (excepto em algumas caixas internas aos bancos que têm mais opções mas muito menos do que as nossas). 

 

- Relações Familiares: Este ponto não está escrito na pedra mas é uma realidade (inclusive comentada por alguns amigos franceses) que a relação de família em Portugal é mais forte do que em França.

Talvez devido às distâncias entre as diferentes regiões ou ao facto de os filhos serem independentes mais cedo mas estas diferenças podem ser mesmo muito flagrantes com filhos que apenas vêem os pais no Natal e que apresentam o companheiro aos pais na véspera do casamento.

E sinceramente prefiro a união familiar portuguesa apesar das suas desvantagens.  

 

- Serviços de Entregas: Todos os estrangeiros que vivem em França se queixam da mesma coisa.

Enquanto em Portugal, quando nos entregam algo em casa se alinham pelos nossos horários em França é a empresa que decide qual é o horário e a ti de te organizares para estar em casa (nem que para isso tenhas de faltar ao trabalho). 

Ainda para mais os "atrasos" e as "perdas" das entregas são relativamente mais bem tolerados do que em Portugal. 

 

- Expressividade: Em Portugal somos, de uma forma geral, muito mais expressivos. Rimos por tudo e por nada e choramos também por qualquer coisa. É o nosso lado mediterrânico.

Em França as pessoas são mais fechadas e estão menos habituadas a demonstrar os seus sentimentos. E sinceramente às vezes tenho muitas saudades de rir a bandeiras despregadas como o fazemos em Portugal. 

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

Qua | 24.06.20

Falar dos nossos futuros projetos: Sim ou Não?

Nala

Esta questão é aquela que todos nos colocamos de cada vez que ponderamos fazer algo novo: devemos falar do projeto sim ou não?! 

Se colocarmos esta questão a um grupo de pessoas as respontas vão dividir-se em duas categorias. Em primeiro lugar o não fechado, muitas vezes acompanhado pelo célebre "pode dar azar" e os adeptos do sim porque não há mal nenhum em falar e até pode dar jeito um incentivo externo. 

Admito-me alguém dividida entre estes dois Mundos: tudo depende do projeto e da fase em que ele se encontra.

Se de um lado sou muito discreta em relação à minha vida, por outra peco por dar mais informações do que as "necessárias" se me fizerem a pergunta diretamente. Estou a trabalhar no assunto mas ainda não estou boa a gerir pressão. 

Apesar de tudo, acho que não devemos falar muito sobre os nossos projetos especialmente quando eles ainda estão em "estado embrionário". 

As minhas principais razões para não o fazer são todas as dúvidas e questões que a pessoa, que o faz seguramente para me proteger, levantará e que me podem fazer duvidar da realização do mesmo ou da minha capacidade em fazer. 

A segunda razão é para não me sentir frustrada. Um novo projeto é excitante mas pode ser um longo percurso até começar a rolar. 

Em alguns casos pode também nunca sair do estado de ideia. Se colocar outras pessoas ao corrente da situação elas vão forçosamente fazer perguntas e isso vai deixar-me mal na minha pele. E não queremos isso, certo? 

Por outro lado acho que devemos falar dos nossos projetos quando eles já estão mais maduros ou os primeiros dados já foram lançados. 

Claro que vamos evitar contar tudo à mesa de almoço para todos os colegas de trabalho ouvirem (mantenhamos a descrição, por favor) mas pedir conselho a familiares e amigos próximos ou outras pessoas tenham uma outra visão pode ser muito enriquecedor. 

Por isso acho que sim, nesta fase devemos falar do nosso projeto pois, por muito que o trabalho seja individual, a ajuda dos outros pode ser fundamental. 

E vocês, qual a vossa opinião sobre o assunto? Falam sobre os vossos projetos ou não? 

Um grande beijinho e até ao próximo post.

novos projetos.jpg

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

 

Seg | 22.06.20

Crónicas sobre Problemas

Ou como somos nós os primeiros a desvalorizar os nossos próprios problemas

Nala

Temos tendência a julgar as aparências e a acreditar em tudo aquilo que os olhos nos mostram.

Achamos que a vida dos outros é tão maravilhosa como aquelas fotos que postam nas redes sociais e depois ficamos aterrorizados com os desfechos mais ou menos trágicos que algumas dessas fotos têm. 

A verdade é que todos nós usamos muitas vezes o sorriso e uma frase feita mas bem amigável para esconder aquilo que realmente sentimos e, ainda por cima, arrematamos muitas vezes os nossos pensamentos com a frase "há coisas piores no Mundo" ou "se calhar isto é tudo da tua cabeça". 

Os nossos "pequenos" problemas, por muito que possam não ser nada em relação ao mal que anda por este Mundo fora, podem ser bastante "corrosivos" no que a nós diz respeito. E podem tornar-se pesados e irrespiráveis ao longo do tempo... 

Quando os desvalorizamos, escondemos, abafamos ou ignoramos estamos a impedir-nos de os resolver ou pelo menos aceitar e, em consequência, inviabilizamos a nossa vida e as nossas capacidades com impacto também naqueles que estão à nossa volta e precisam de a nós. 

Quantas vezes já te menosprezaste por achares que a tua tristeza é futilidade? Quantas foram aquelas em que pediste desculpa por te sentires mal e te acusas-te a ti mesmo de exagerar?

Foram muitas provavelmente, mais do que aquelas que consegues enúmerar. E sinceramente isso ajudou-te em quê? Pois, nem te ajudou a ti nem aos problemas do "Mundo". 

Não tens menos direito a estar triste, a sentires-te perdido e confuso ou a precisares que aqueles que te amam cuidem de ti do que qualquer outra pessoa neste planeta. Tens, no entanto, a capacidade de te escutar, de refletir e de te renovar a cada oportunidade e a cada desgosto.

E aí, mas só por aí, possas curar as tuas feridas e avançar com confiança na tua vida e fazer a tua parte por esse Mundo que tanto precisa de pessoas cheias de valores, seguras, decididas e justas! Aquilo que apenas alguém que está em paz consigo mesmo pode oferecer.  

Enquanto apenas te estiveres a dizer a ti mesmo que há quem tenha problemas muito mais graves que os teus não poderás fazer nada por ninguém, sobretudo por ti mesmo. E um dia, talvez um dia, tudo possa ser demasiado pesado para continuar em frente. 

Pensa nisso!

devin-avery--Ds7O9Y1_80-unsplash.jpg

Photo by Devin Avery on Unsplash

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

Dom | 21.06.20

Wishlist de Verão 2020

Nala

O Verão está quase aí e, mesmo com a anulação de festas populares, festivais, possíveis viagens e por aí fora, não há de todo razão para não o aproveitar

Por isso proponho-vos a minha Wishlist para este Verão 2020 (todas as categorias confundidas (roupa, moda, atividades, desejos...). 

Há mesmo muitos itens de moda e beleza por isso, se não vos interessar, passem à frente ;)

Convido-vos desde já a pensarem na mesma coisa e a deixá-la ou nos comentários ou no vosso blogue. Vamos partilhar ideias e desejos para nos inspirarmos uns aos outros e tornar este Verão melhor, mesmo com restrições!

Vamos começar pela minha?

- Chegar aos 160 seguidores no blog: Pois, pois... toca lá a sugerir aqui o blogue da Nala aos amigos para ver se atingimos este número rápido, rápido! E se tu ainda não segues faz o favor de seguir por aqui e pelo instagram, onde acontecem sempre várias coisas também. 


- Voltar às caminhadas: Quem já me segue há algum tempo sabe que eu sou doida por caminhadas. Apesar de não ter um nível atlético chego normalmente ao Verão já com muitos quilómetros nas pernas.

Este ano, entre o confinamento e a minha operação, esta atividade que tanto amo e que tão bem me faz acabou por ficar na "gaveta". Espero ardentemente que o Verão nos traga a possibilidade de recuperar o tempo perdido. 

 

- Sapatilhas de caminhada: Ando a precisar desesperadamente de umas sapatilhas de caminhada (e de muito mais calçado mas isso é conversa para outras núpcias). Ando a namorar estas aqui que são da decatlhon e que têm uma relação qualidade-preço bastante boa. 

- Ver as estrelas: O campo pode ser o local perfeito para ver as estrelas. E que saudades tenho de me deitar na erva molhada e apreciar os astros... É algum tão simples, barato e do qual nos lembramos tão poucas vezes. 

 

- Instant Eye Palette: Mudando para um discurso um bocadinho mais "citadino" e "girly" vou falar-vos agora da Instant Eye Palette de Charlotte Tilbury. Adoro esta palete e fiquei fascinada pelas suas cores.

O único senão? O preço elevado pois já é considerado maquilhagem profissional e o facto de eu não usar tantas sombras como isso e que justifiquem tal despesa.

Mas que já me faz babar por ela desde o início do confinamento faz. Obrigado publicidade de rua! Meninas, o que acham? 

- Sandálias Douradas: Acho as sandálias douradas um enorme "curinga".

Elas ficam bem com praticamente tudo e são bastante elegantes desde que o dourado seja discreto, claro. A minha paixão deste Verão são estas sandálias da marca francesa Les Tropeziennes par M. Belarbi.

 

- Garrafa Reutilizável: As garrafas térmicas podem ser excelentes opções para ter sempre bebidas frescas e ainda poupar o ambiente.

Tenho uma já há muitos anos que uso todos os dias e exatamente por isso preciso de a substituir um destes dias. Ainda não tenho ideia do que quero exatamente mas quero algo muito simples e sem grandes cores (para não me fartar...) e por isso não vos deixo nenhuma sugestão mas se alguma me tentar publico lá pelo Insta! :)

 

- Ver a Família: COVID-19 obriga a uma certa redução no número de viagens mas, mesmo assim, gostaria de poder ver a minha família ainda este ano. Esperemos que Setembro venha sem percalços... 

 

- (Re)ver alguns amigos: Tal como da família também os momentos com os amigos foram adiados durante estes meses. Por isso mesmo esperemos que o Verão nos traga a possibilidade de vê-los. Seja os de Portugal ou/e os de França. 

 

- Beber uma limonada com água gasosa: Um dos meus restaurantes preferidos em Lyon é um restaurante mexicano tradicional (os empregados falam especialmente Espanhol e, graças aos céus, o homem cá de casa também domina a língua de nuestros hermanos) e servem uma limonada bem ácida servida com água com gás que é uma das 7 maravilhas gastronómicas do Mundo. 

Por enquanto ainda não tive vontade (nem oportunidade a bem dizer) de voltar a um restaurante mas que só de falar nisto fico com água na boca, fico. 

 

- Acabar a 4ª temporada de "This is Us": Já vos falei nela nos últimos tempos e é, definitivamente, a minha série "xuxu" do momento. Pretendo dedicar algum tempo a acabá-la este Verão para apanhar as novidades de Setembro! 

E por aí quais os grandes itens da wishlist para o Verão! Fico a aguardar as vossas respostas com muita curiosidade... 

Um grande beijinho

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

 

 

Sex | 19.06.20

O Melhor da Estação #Primavera 2020

Uma versão mais abrangente do antigo Melhor do Mês

Nala

Já há algum tempo que não vos trago a rúbrica "O Melhor do Mês". 

Apesar de a adorar (porque adoro), a verdade é que nem sempre consigo ter informação suficiente para vocês e exatamente por essa razão preferi trazer-vos "O Melhor da Estação"!

"O Melhor da Estação" trará as minhas "descobertas", sejam elas recentes ou não, e os meus favoritos em todas as categorias que não abordo normalmente no blogue.

Deste post vão fazer parte temas tão abrangentes como filmes e séries e todas as coisas que me encantaram ao longo dos últimos meses e que acho que, se vocês não conhecem estão a perder algo de fantástico! 

Preparados?! 

 

- Livros:

Como sabem eu sou fã de biblioteca. Entre outras razões porque os livros são extremamente pesados e, por ter mudado pelo menos 3 vezes de casa nos últimos 5 anos tenho bem essa noção presente, e depois porque existem obras que nunca iria ler porque não me vejo a comprá-las. 

Com o fecho das bibliotecas públicas devido às medidas de segurança da COVID 19 acabei por ficar sem livros para ler e ataquei os livros dele. E pessoal, apesar da minha relutância a ler, adorei Haruki Murakami

De todos os livros que li o que mais me tocou foi "Homens sem mulheres". Os livros deste homem são surpreendentes e cheios de significado. Fiquei fã e só vos posso aconselhar! 

 

- Séries e Filmes: 

Com o Isolamento Social e a baixa médica que tive por causa da operação tive algum tempo disponível para ver séries. 

Garanto-vos que vi muitas séries mesmo mas selecionei duas que me parecem fantásticas, apesar do estilo diferente. 

A primeira é a série "This is Us" da qual já falei aqui. Vi-a de "rajada" e apaixonei-me perdidamente por esta série. Aconselho a todos, com uma piscadela de olhos muito especiais a quem dá muito valor às relações de família. 

A segunda é "Locke & Key", uma série que não vai de todo agradar a toda a gente por se assemelhar bastante a uma série juvenil mas que eu pessoalmente adorei. 

Para quem gosta de mundos mágicos, de portas que nos levam para outros lugares e de histórias que misturam a leveza da adolescência com os dramas dos adultos e um ambiente meio "de terror" esta série é a combinação perfeita! 

Em matéria de filmes descobri dois filmes, bastante antigos e conhecidos, mas que vos aconselho caso também ainda não os tenham visto. 

A primeira é "Comer, orar, amar" que estava na minha lista há muito tempo mas que acabei por ver porque o querido Dr. Doutor falou nele lá no blog.

Um filme que leva uma mulher de meia idade a viajar por diferentes paises e a descobrir a sua verdadeira essência e o amor simples e tranquilo. 

A segunda foi "Peach Perfect" que entra mais nesta onda cool de uma comédia musical. A companhia perfeita para o fim de semana e dedicado a quem gosta de filmes leves, divertidos e que têm saudades dos grandes hits musicais de 2010.

Pode não ser o filme que pretendia ganhar um Oscar mas garanto-vos que me deixou com um enorme sorrisão na cara! 

 

- Beleza e Moda: 

Com o isolamento tive algum tempo para me dedicar a aprender mais sobre moda e mais particularmente sobre "Colorimetria".

Cheguei à conclusão que sou do tipo Outono Profundo e, já que precisava de comprar umas coisinhas, decidi-me a usar estas dicas e a minha peça preferida que pela cor e pelo modelo foram autênticos "saltos fora da zona de conforto" foram estas que são da Mango

Outro pequena descoberta desta Primavera que é um clássico dos cremes matificantes mas que eu nunca tinha experimentado é o creme Effaclar Mat. É raro fazer isto mas já tenho uma embalagem de substituição no armário.

Este creme é fácil de encontrar em farmácias e parafarmácias. 

E por aí, quais foram os favoritos dos últimos meses de entre todas as categorias possíveis?

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

 

 

Qua | 17.06.20

"This is Us" em 3 lições de vida

Nala

Comecei a ver "This is Us" há cerca de um ano e meio mas abandonei a série. Na altura achei-a demasiado pesada e a história demasiado intensa e não tinha disponibilidade emocional para ela... 

Passado este tempo todo, e especialmente porque a minha baixa se tornou o momento propicio a tal, voltei a tentar porque vale mesmo a pena.

E desta vez viciei-me mesmo e assisti de forma compulsiva às 3 primeiras temporadas... 

Se não conhecem a série "This is Us" é uma série bonita mas muito simples com pessoas iguais a nós. Ao longo da história as suas personagens sofrem com separações, mortes de entes queridos, abortos, obesidade, ansiedade... E isso faz dela uma série com várias mensagens bastante poderosas! 

Deixo-vos aqui três (sem spoilers) e convido-vos a dedicarem-se a esta série que, sinceramente, vale muito a pena! 

Lição n.º 1: Nenhum casamento é fácil e mesmo os casais mais unidos passam por grandes altos e baixos.

Nesta série o "casamento" é representado por Rebecca e Jack e também por Randall e Beth que nos mostram como o seu companheirismo, disponibilidade, compreensão e apoio mútuo são essenciais para continuarem a crescer com os seus casamentos, mesmo passados muitos anos, e que também têm de sobrar espaço para os projetos pessoais de cada um. 

Ao longo da série eles vão sendo obrigados a desfazer "nós" e a apoiar-se mutuamente e passam por muita coisa juntos. E, com esforço e bastante vontade de fazer as coisas darem certo, as coisas vão sempre melhorando. 

 

Lição n.º 2: Irmãos são sempre irmãos, independentemente da discórdia.

Randall, Kevin e Kate são os três irmãos da história e podemos acompanhá-los ao longo da sua vida adulta, da sua adolescência e da sua infância.

Muito diferentes e com propósitos de vida opostos eles estão lá uns para os outros quando é preciso e, entre uma discussão e uma briga, eles cuidam uns dos outros com amor e a memória de uma infância feliz e unida. 

 

Lição n.º 3: O diálogo é fundamental em qualquer família.

Ao longo da história a família Pearson vai vivendo momentos intensos e fazendo face a grandes problemas que vão desde o consumo de álcool, à ansiedade, obesidade... Apesar de serem uma família unida são muitas as vezes em que escondem os seus problemas pessoais uns dos outros e isso chega muitas vezes ao nível de "catastrofe". 

Uma conversa honesta e um abraço dado na altura certa são a grande receita desta história para que todos ajudem cada membro da família a carregar o seu próprio fardo e a sair ainda mais resistente da sua dificuldade. 

 

E por aí existem outros fãs de "This is Us"? Qual a vossa série "fetiche" do momento?

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

 

Seg | 15.06.20

5 Boas Razões para Cuidares de Ti!

Nala

Uma das recordações mais curiosas que guardo dos meus tempos de ensino secundário foi uma conversa com a Professora de Ciências Naturais. Segundo ela cada um de nós precisava de encontrar um motivo, provavelmente algo muito fútil, para nos mantermos motivados para o estudo e que nos servisse de recompensa no futuro. 

No seu exemplo ela dizia que desde que tinha a sua casa tinha uma senhora para lhe fazer as limpezas. Essa tinha sido a sua "cenoura" enquanto miúda para se focar no estudo e em todas as atividades escolares pois, enquanto adolescente, detestava as atividades domésticas que lhe estavam incutidas.

Lembro-me que, na altura, procurei também eu o meu próprio "objetivo" fútil q.b. mas que, verdade seja dita, me motivou e me deu ânimo quando ele faltava. No meu caso escolhi que aquilo que faria quando fosse "grande" seria tratar bem da minha pele. 

Esta promessa deu origem, há medida que os anos foram passando, em algo ainda maior. A promessa de cuidar de mim e de encontrar a forma e o meio de o fazer. 

Hoje trago-vos aqui as 5 principais razões pelas quais não abdico de cuidar de mim: seja com cuidados de beleza, tratar das unhas, fazer desporto, comer bem, entre muitas outras.

Espero que elas vos sensibilizem para a importância de investirmos um bocadinho no nosso bem estar. Afinal só podemos dar o nosso melhor aos nossos se estivermos bem no nosso corpo e na nossa pele. 

 

Razão n.º 1: Dar-se amor a si mesmo

A primeira boa razão para investir em autocuidado é que esta é a melhor forma de nos darmos amor a nós próprios. E alguém que se ama é mais autoconfiante, têm mais auto-estima e é muito mais feliz! 

 

Razão n.º 2: Ter tempo para ti

Cuidar de si próprio pode ser a ocasião perfeita para termos aqueles segundinhos de paz que tantas vezes são essenciais aos nossos dias.

Por isso, e por muito culpados que nos sintamos por isso, é melhor extravasar o stress do dia a dia numa atividade física, numa rotina de beleza ou numa sessão de meditação do que naqueles que vivem connosco e que não têm absolutamente culpa nenhuma do nosso dia mau. 

 

Razão n.º3: Interessar-se por algo "novo"

De uma forma geral precisamos de quebrar a rotina e de procurar novidade para a nossa vida.

Quando procuras novas formas de cuidar de ti vais adquirindo novos conhecimentos sobre alimentação, bem estar, desporto e outras informações que te podem ajudar noutras áreas da tua vida

 

Razão n.º 4: Ajuda na Resolução de Problemas

Às vezes não conseguimos encontrar formas de solucionar um problema porque nos focamos demasiado nele e isso não nos deixa "espaço mental" para possíveis soluções.

Aqueles minutos que dedicamos a nós mesmos podem ajudar-nos a limpar a cabeça e a abrir esse tão desejado espaço mental. Em caso de dúvida é melhor tentar, certo?

 

Razão n.º 5: Porque tu mereces

Todos nós merecemos um esforço pelo nosso trabalho e essa era a devisa da minha professora para delegar a limpeza da casa a outra pessoa e a minha para investir e criar uma rotina de cuidados de pele. 

Se trabalhamos, executamos tarefas domésticas, estamos disponíveis para aqueles que amamos (e muitas vezes até para aqueles que amamos um bocadinho menos), cuidamos dos outros então merecemos esse pequeno troféu que é dar-nos tempo e investir algum dinheiro (se isso for mesmo necessário) para gostar e cuidar de nós. 

 

Por isso não te sintas culpada se tiveres de deixar o teu filho com o pai/mãe ou com os avós enquanto fazes a tua sessão de desporto (fiz um post especial do Dia da Mãe sobre isso), se tens de te negar a algum jantar ou happy hour de trabalho (ao qual nem tinhas assim tanta vontade de ir) ou se, simplesmente, precisas de 10 minutos de silêncio para colocar as tuas ideias em ordem.

Vê esse tempo como um investimento e que beneficiará todos os que estão à tua volta! 

E por aí, qual é a principal razão para cuidares de ti?

cuidar de si.jpg

Photo by The Creative Exchange on Unsplash

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

 

 

Dom | 14.06.20

Crónicas sobre Ele #5

4 anos juntos!

Nala

Há quatro anos atrás saímos para ver o primeiro jogo de Portugal no Euro mas nem nos apercebemos do mítico penalty falhado do Quaresma. 

Desde esse jogo que nunca mais nos largámos!

Passámos por coisas boas e menos boas, decidimo-nos a enfrentar a vida juntos e, apesar de algumas dificuldades, temos sabido dar a volta por cima. 

Somos considerados um "casal modelo" pelos amigos mas o nosso segredo não é mais do que "nunca acabar o dia chateados". Falamos sobre tudo e nada, controlamos o tom de voz e assumimos as nossas posições, fazendo cara feia se for preciso e rindo a bandeiras despregadas no fim... 

Desde há quatro anos para cá não têm faltado projetos e sonhos, conquistas e muita teimosia para atingir o que se quer, algumas incertezas e a responsabilidade de estarmos juntos. 

Continuamos a ser amigos, a construir o Mundo à volta de um copo de vinho, a cozinhar como no início, a surpreender o outro sempre que a oportunidade se apresenta. Continuamos a ser "mete nojo" até dizer basta, continuo a adormecer no colo dele e a receber aquele beijinho de boa noite cheio de significado e que sinto ao de leve antes de cair no sono profundo... 

Quatro anos já se passaram e a certeza do "o melhor ainda está para vir" continua presente...

Muitos Parabéns a nós! 

DSC_0495.JPG

Não te esqueças de acompanhar as Crónicas da Cidade dos Leões no Instagram e no Facebook: há muita coisa a acontecer por lá.

Se por acaso o conteúdo deste texto te agradar não deixes de o partilhar com familiares e amigos.

Pág. 1/2