Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Crónicas da Cidade dos Leões

Um Blog que começou por ser um diário e que cresceu para algo mais. Por aqui os temas vão do desenvolvimento pessoal ao bem estar sempre com dicas e reflexões a propor. Sê bem vindo e se te agrada: segue! :)

Crónicas da Cidade dos Leões

Um Blog que começou por ser um diário e que cresceu para algo mais. Por aqui os temas vão do desenvolvimento pessoal ao bem estar sempre com dicas e reflexões a propor. Sê bem vindo e se te agrada: segue! :)

Qui | 19.12.19

3 Contos a ler absolutamente no Natal

Caixinha n.º 19 do Calendário de Natal da Nala

Nala

Hoje aventuro-me num terreno completamente novo neste blogue: os livros. Apesar de ler imensos livros, muitos deles que uso como recurso para os posts que escrevo para este espaço, nunca escrevi sobre livros. 

O que vos quero propor são 3 contos que acho que temos a obrigação de apresentar aos mais pequenos e, a Noite de Natal parece-me uma excelente ocasião para isso. 

Podem também ser boas ideias de presentes de última hora para as crianças e jovens da família. Preparados?

- O Principezinho de Antoine de Saint-Exupéry: Este é o livro a ler por excelência. Por todos os valores de amizade e solidariedade que o autor nos transmite ao longo da história. Pessoalmente é daqueles livros que farei questão de oferecer aos pequenos da família e acho-o muito adequado a esta época do ano. 

- O Cavaleiro da Dinamarca de Sophia de Mello Breyner: Li este livro pela primeira vez no 6º ano da escola, pois fazia parte das leituras obrigatórias. E foi daquelas leituras que me marcou para a vida toda: especialmente a ideia de que, independentemente das viagens que façamos ao longo da vida, a nossa família estará lá à nossa espera em todos os Natais e todos os anjos estarão a velar para que nos juntemos rapidamente a ela. 

- Um Conto de Natal de Charles Dickens: Este é sem dúvida um dos contos mais conhecidos de Natal. A forma como o "sovina" Scrooge aprende uma grande lição de redenção pela mão do fantasma do seu ex-sócio Marley. Um livro de 1843, que emocionou crianças e adultos ao longo dos tempos e que ainda têm tanto para nos ensinar. 

 

 

 

Qua | 18.12.19

Crónicas sobre os Presentes

Caixinha n.º 18 do Calendário do Advento da Nala

Nala

Todos sabemos que o Natal não é apenas presentes mas, a verdade, é que esta é a primeira coisa que nos vêm à cabeça quando se fala em Natal. 

E, quer queiramos quer não, somos meio que empurrados para este Natal consumista que nos enche os olhos e os ouvidos de anúncios publicitários. E acredito que, quem tem crianças em casa, sinta ainda mais a pressão do que eu. 

Eu admito-me um tanto ou quanto consumista: deliro com os anúncios de perfumes e de chocolates e adoro oferecer presentes. Mas, ao mesmo tempo, não compreendo o interesse em gastar 3 meses de salário a oferecer qualquer coisa a alguém apenas "porque sim". 

Uma das coisas que sempre me incomodou no Natal (e que me faz sentir que estou a pactuar com algo que não me faz sentido) é a necessidade de ter de ter um presente para tal pessoa, sem reflectir se ela vai gostar ou não, se lhe faz falta ou se o valor não é muito diferente entre os diversos presentes que dou às pessoas do mesmo grau. 

Pessoalmente adoro receber presentes que me correspondem, que mostrem que a pessoa pensou em mim quando me ofereceu tal coisa. Também adoro presentes DIY porque acho que a pessoa me deu mais do que dinheiro, me deu o seu tempo e o seu trabalho e isso não têm preço. 

Admito que, apesar de nunca dizer que não gosto de algo, fico desiludida quando recebo algo que não me corresponde de todo e que é "chapa 5" para toda a gente. Mas faço o mesmo... por enquanto... e sinto-me pouco à vontade com isso. 

E vocês, qual a vossa relação com os presentes de Natal? Dão a toda a gente da família ou nem por isso? Como reagem quando recebem algo que não vos corresponde mas que sabem que a pessoa gastou dinheiro para vos oferecer aquilo? 

freestocks-org-PxM8aeJbzvk-unsplash.jpg

Photo by freestocks.org on Unsplash

 
Ter | 17.12.19

A Luz num Cartão de Boas Festas - O Natal da Margarida

Nala

Hoje recebi o primeiro cartão de Boas Festas do ano.

Tenho estado, interiormente, um bocado longe do Natal. Tem sido um ano duro. Tenho visto muita, muita gente sofrer com problemas de todos os tipos, tenho sofrido por isso também, os tempos estão difíceis, a comunicação falha, as boas intenções perdem-se muitas vezes no meio das obrigações, o mundo anda desencontrado do seu ritmo natural, as prioridades estão alteradas, as relações humanas estão adormecidas, enfim… talvez seja mesmo isto, ou talvez seja só eu a ficar (finalmente!) adulta.

Tenho andado embalada pela esperança do Advento, enquanto o Natal já vai acontecendo por aí. Aquilo que ando, conscientemente, a adiar – desejar coisas boas a pessoas de quem gosto (há muito tempo que não mando cartões nem digo coisas que não sinto, por obrigação) - apareceu hoje, como genuína vontade. Acendeu-se em mim a primeira luz de Natal, quando alguém, com a maior simpatia, me mandou um sinal de que se lembra de mim (pelo menos) nesta época.

Podemos encarar tudo isto como um conjunto de hábitos e actos hipócritas ou, numa perspectiva mais desafiadora, deixarmos-nos contagiar pelo bem que nos querem, e pelos minutos que dedicam a mostrá-lo. Este gesto, aparentemente pequenino e mecânico, pode ter – e em mim teve, hoje – o enorme poder de nos relembrar o milagre do Natal, que se estende, se quisermos, a todos nós. Há uma luz interior que renasce nesta altura do ano. Há um renovar da esperança no bem das pessoas e nas pessoas de bem.

Não pode ser por mero formalismo que montamos o presépio e que o iluminamos com uma vela simples. Ali está, de facto, resumida, toda a simplicidade da vida! No desconforto da gruta, conseguimos sentir todo o conforto que procuramos e nem sempre encontramos nos nossos ambientes, por mais aquecidos, isolados e bem apetrechados que estejam. É a vida que nasce, que muda tudo! Como a nossa também pode mudar, se não nos deixarmos matar pela desesperança. O conforto do presépio, o conforto que verdadeiramente nos enche e transforma, vem da paz interior, da comunhão, da alegria simples e despojada, da plenitude de nos termos uns aos outros e a Deus, e da certeza que são estas as únicas coisas que dão sentido aos nossos dias.

O Natal está a chegar. Jesus vai nascer, de novo, e sempre como novidade, nas nossas vidas! Agora, como nos outros anos, já sinto que vou chegar a tempo.

21611944_rZWUN.jpeg

Família, escultura e fotografia de Maria Leal da Costa

 

Se ainda não conhecem o blogue da Margarida que se chama "MAGis" não sabem o que estão a perder. 

A Margarida têm uma escrita leve, cheia de bom senso, bem refletido e sobretudo maravilhosamente pensado. Um daqueles blogues que sinto prazer a descobrir sempre que vejo algo novo! 

Quero agradecer-te querida Margarida a tua colaboração neste projeto e esta experiência tão boa que partilhaste connosco. Festas Felizes para ti!



Seg | 16.12.19

Natal Com Crianças- O Natal da Rute Justino

Caixinha n.º 16 do Calendário de Natal da Nala

Nala

O verdadeiro Natal apenas o conheci quando fui mãe.

Lembro-me de ser muito feliz em criança com a chegada do Natal e toda a sua azáfama, depois fui crescendo e o interesse foi-se perdendo um pouco.

Mas tudo mudou com a chegada dos meu filhos!

Não digo que passei a adorar o Natal porque ia mentir mas tem sem dúvida outro sentido!

A Leonor adora o Natal e a montagem da árvore é sempre uma excitação lá por casa.

Eles adoram a festinha da escola, as luzes, a música pelas ruas e eu mesmo sem querer deixei-me levar pela loucura desta época natalícia!

Sem qualquer dúvida que o Natal é para as crianças, vermos aqueles rostos felizes a desembrulhar as prendas!

Para eles é a época mais aguardada do ano!

E com eles ao meu lado qualquer época do ano me faz sentido!

thandy-yung-eH2RrGhde80-unsplash.jpg

Photo by Thandy Yung on Unsplash

Se ainda não conhecem o blogue da Rute que se chama "A nossa vida!" não sabem o que estão a perder. 

A Rute é mais de dois adoráveis miúdos que fazem as delícias do seu, e do nosso, dia a dia já que ela partilha muito do que é ser mãe de 2 pré-adolescentes. Um blogue verdadeiramente delicioso!

Quero agradecer-te querida Rute a tua colaboração neste projeto e esta experiência tão boa que partilhaste connosco. Festas Felizes para ti e para toda a tua família.

 

 

Dom | 15.12.19

E se em vez de deitar fora ou vender... doássemos?

Caixinha n.º15 do Calendário de Advento da Nala

Nala

Muito se fala de "minimalismo" e de "destralhar". Aliás desembaraçarmo-nos das coisas que nos enchem a casa e o armário é palavra de ordem nos dias que correm. E muitas vezes o fim é o caixote do lixo ou os sites de vendas online

Hoje deixar-vos uma sugestão que, apesar de não ter nada a ver com Natal, me faz todo o sentido que entre neste "Calendário do Advento". 

Quando mudámos para a mesma casa deparamo-nos com um problema: tinhamos tudo em dobro. Ou então tinhamos coisas das quais não necessitavamos pelas mais diversas razões. 

Depois de muito reflectirmos decidimo-nos a doar as coisas que tinhamos a mais a associações de caridade. Pareceu-nos evidente que, uma vez que a vida nos tinha feito o "presente" de termos uma relação estável e uma casa pronta, podiamos nós também contribuir à felicidade de uma família em necessidade ou ao apoio financeiro de um projeto de solidariedade social. 

E se bem o pensámos, melhor o fizemos: escolhemos uma associação cujo projeto social nos parecia interessante e que nos dava perspectivas de fazer boa gestão da mercadoria doada. E, quando penso naquilo que demos, sinto-me tão feliz por poder ter ajudado realmente alguém.

Se, também vocês, têm bens a mais e que podem doar procurem na vossa zona associações que as possam recolher e dar-lhes uma nova vida. E, se calhar, tornar mais feliz a vida de alguém: seja no Natal ou fora dele!

tim-marshall-cAtzHUz7Z8g-unsplash.jpg

Photo by Tim Marshall on Unsplash

 

 

Sab | 14.12.19

Como lidar com uma "família difícil" no Natal

Caixinha n.º 14 do Calendário de Advento da Nala

Nala

Aqui há uns tempos atrás utilizei o Instagram para vos perguntar quais os temas sobre os quais gostariam de ler neste Natal.

A querida Vox Nihili, que é uma leitora assídua não só deste blogue como da página, deu um tema que eu achei extremamente importante: "Como lidar com uma "família díficil" no Natal". 

Se é verdade que o Natal é uma época de partilha, de paz e de tranquilidade, a verdade é que muitos de nós sentem um certo receio da Noite da Consoada e os motivos podem ser muitos e variados:

Ter de partilhar uma refeição com aquela tia que não pára de implicar com a nossa maneira de vestir e de falar, enfrentar aquele "primo snob" que é visto como perfeito por toda a família, ou pura e simplesmente ter de lidar com coisas que nos incomodam como o excesso de prendas ou a comida que acaba por se estragar. 

Por isso mesmo decidi deixar-vos algumas dicas que vos ajudarão a enfrentar melhor a Consoada e o Dia de Natal quando sabem, à partida, que não vai ser fácil (e que não implicam beber para esquecer): 

- Entrar no Espírito de Natal: Uma das primeiras coisas a fazer é "entrar no espírito de Natal" e definir quais as "boas razões" para estar presente. Provavelmente estará lá o teu sobrinho maravilhoso, a tua avó super querida ou aquele tio que já não vês há séculos mas que têm sempre umas histórias super divertidas para contar...

- Sê assertivo: Não é porque é Natal que tens de deixar que as críticas te magoem. Se alguém te fizer um comentário pouco agradável sê assertivo e diz-lhe que dispensas tal comentário. Só tens de fazê-lo de uma forma respeituosa e, se possível, bem humorada. 

- Tenta compreender os outros: A mesa farta chateia-te mas para a tua avó é a coisa mais importante do Natal. Tenta compreender as suas razões mesmo que não concordes com elas e foca-te nas coisas positivas que daí advém em vez de "resmungares" no teu canto que é um desperdício e que não faz sentido nenhum. Afinal um sorriso daqueles na cara da tua avó não é uma razão aceitável? De qualquer forma podes sempre dizer-te que agora é assim mas que, quando for em tua casa, será como tu queres. 

- Mantém um sorriso na cara: Estares de cara fechada só vai transformar a tua noite "num massacre". Manter a boa disposição e um sorriso no rosto, aproximares-te mais das pessoas da família de quem gostas são uma excelente forma de ignorar o resto e de passar um Feliz Natal. Em caso de te sentires como um verdadeiro "peixe fora de água" podes sempre ir brincar com as crianças. Afinal quem melhor que elas para te fazer sentir o verdadeiro espírito de Natal. 

- Procurar alternativas: Em casos extremos, em que te seja mesmo complicado lidar com a família, podes sugerir uma viagem no Natal com a tua família mais próxima ou simplesmente passares o Natal sozinho. Pode ser uma experiência positiva de reencontro contigo mesmo. 

Espero que estas dicas vos sejam úteis e que passem umas belas Festas de Natal! 

rebecca-wiggins-HOwzKtC_A2g-unsplash.jpg

Photo by Rebecca Wiggins on Unsplash

Sex | 13.12.19

"Cabaz de Natal Doce"- O Natal da MJP

Caixinha n.º 13 do Calendário de Natal da Nala

Nala

Gostaria de começar por agradecer, à Nala, o honroso convite para escrever em sua “casa”...

A minha relação com o Natal sofreu alterações ao longo do tempo...

Na infância e adolescência encantava-me toda a Magia que associava ao Natal... os cheiros, as cores, os brilhos... tudo me deixava deslumbrada e Feliz...

No início da idade adulta continuava fascinada pela Magia da partilha e do afecto que parecia contagiar toda a gente (até as pessoas, aparentemente, mais frias e distantes)... adorava cozinhar múltiplas iguarias e partilhar com os que me eram queridos...

Entretanto, por circunstâncias da Vida, o Natal passou a ter uma conotação triste... a Magia desapareceu...

Felizmente que, nada é estanque e tudo muda... há meia dúzia de anos fiz as pazes com o Natal e recuperei a tal Magia, outrora, perdida... voltei a fazer uma das coisas que mais gosto: cozinhar e partilhar com as pessoas que AMO...

Por isso, quando a Nala me endereçou o convite, soube, de imediato, sobre o que queria escrever...

Vou partilhar convosco iguarias que confecciono e partilho com os AMIGOS, em jeito de sugestão de “Cabaz de Natal doce”! Espero que gostem e que vos inspire momentos de doce partilha...

natal mjp.jpg

Se não conhecem os blogues que a MJP anima aqui no bairro do Sapo não sabem o que estão a perder: "Liberdade aos 42" e "Na Sombra da Luz" são o trabalho e o espírito de uma mulher com bom gosto, um jeito enorme para fotografar e muita sensibilidade e bom senso. E, pelo que aqui nos deixou, uma cozinheira de mão cheia. 

Ela é sem dúvida uma das bloggers mais queridas que por aqui tive o previlégio de cruzar. 

Votos de um Excelente Natal para ti e para os teus, querida MJP! 

 

Qui | 12.12.19

3 Sugestões para animar as Festas de Natal

Caixinha n.º 12 do Calendário do Advento da Nala

Nala

Se já não podes mais com o Sozinho em Casa e com os serões intermináveis à volta do monopoly deixo-te hoje 3 sugestões originais para animar miúdos e graúdos durante as festas de Natal. São jogos simples, que podem aumentar a intensidade dos momentos partilhados em família e deixar toda a gente ainda mais animada. 

Estás preparado?

- 2 verdades e uma mentira: Este jogo é extremamente fácil de fazer e não necessita de nenhuma preparação específica. A ideia é lançar um tema, como por exemplo: "3 presentes de Natal que já recebeste?" e o jogador responde com dois verdadeiros presentes e um completamente falso, cabendo aos restantes descobrir qual dos três é mentira! Este jogo pode ser adaptado até ao limite da imaginação e será sinónimo de grandes gargalhadas. 

- Karaoke: Um bom (e velho) karaoke pode ser uma ótima animação para as Festas de Fim de Ano e podem participar pessoas de todas as idades (lá em casa funciona lindamente). Basta uma ligação à internet e encontrar uma boa aplicação de karaoke e a animação é garantida... 

- Desafios de Minuto: Este é um dos jogos mais divertidos que vos podem passar pela cabeça mas exigirá alguma preparação anterior. A ideia: dividir a família em dois e lançar-lhes pequenos desafios de um minuto. Um dos que encontramos mais facilmente na internet é o "Sugador de M&Ms", no qual desafiamos os participantes a sugar, com um tubinho de cartão, o maior número de M&Ms possiveís. Mais uma vez este jogo pode ser adaptado até onde a imaginação nos levar. 

Gostaram destas ideias? Têm alguns jogos que fazem habitualmente no Natal ou o vosso dia é mais tradicional passado à mesa e a ouvir as histórias de uns e de outros? 

Não deixem de comentar e de partilhar convosco as vossas sugestões! Até amanhã!

angelina-jollivet-SeCt2NnTecM-unsplash.jpgPhoto by Angelina Jollivet on Unsplash

Qua | 11.12.19

Pequenas Tradições de Natal (cá de casa)

Caixa n.º 11 do Calendário de Advento da Nala

Nala

Como já devem ter percebido adoro o Natal! Não pelas prendas ou pela fartura na mesa mas sobretudo pelo calor humano e pelas pequenas tradições que fazem bater em uniíssono os corações das famílias nesta época. 

Por isso hoje gostava de partilhar convosco as pequenas tradições que temos posto em prática e que pretendemos manter (mesmo que possívelmente adaptadas) no futuro: 

- O Calendário do Advento: Se é verdade que não somos crianças, não é menos verdade que todos nós temos tendência a sê-lo um bocadinho à medida que o Natal se aproxima.

Por isso temos, cada um, o seu Calendário do Advento que vamos abrindo religiosamente depois de jantar durante o mês de Dezembro. Esta tradição têm ainda mais significado desde que ele "usou" o calendário do advento para me oferecer o anel de noivado. 

- Uma decoração para a Árvore de Natal por ano: Um dos nossos objetivos é, por cada ano passado, juntar uma nova decoração à árvore de Natal. Uma figurinha que nos lembre algo daquele ano e que permita que o nosso pinheirinho conte uma história: a nossa! 

- Arrumar tudo nos Reis: A nossa casa é enfeitada no início de Dezembro e arrumada nos Reis, acompanhada da Gallette des Rois típicamente francesa e de um copo de cidra, como pessoalmente não aprecio o nosso bolo rei português esta troca sabe-me muito bem. 

- Os presentes são oferecidos cá em casa, mesmo quando passamos o Natal em Portugal. 

E por aí, quais são aquelas tradições de Natal familiares de que vocês não abdicam? 

anton-scherbakov-4EmKK2xERaA-unsplash.jpg

Photo by Anton Scherbakov on Unsplash

 

Ter | 10.12.19

O Natal... à francesa!

Caixinha n.º 10 do Calendário do Advento da Nala

Nala

Cheguei a França há 5 anos, no final do mês de Novembro, por isso deparei-me logo com as diferenças que existem entre o Natal Francês e o Natal Português. 

É de notar que, pelo facto de virmos da mesma cultura judaíco-cristã faz com que as árvores de Natal e os presépios façam parte da decoração de Natal das famílias.

Existem, no entanto, muitas famílias que preferem trocar o aconchego do lar por uma férias na Neve, especialmente nos Alpes e nos Pirinéus, de forma a aproveitar a neve e a possibilidade de praticar desportos de Inverno. 

De uma forma mais tradicional a Noite de Natal em França é festejada em família e têm o nome de "Reveillon de Noel".

Os pratos típicos desta época são o "Foie Gras", o salmão fumado e as "Coquilles Saint-Jacques" (as nossas "vieiras"). As ostras são também rainhas nestes dias de festa e os "escargots". Tudo isto em entrada e acompanhado de champanhe, a bebida tradicional de festa.

Nos Natais mais tradicionais é o Perú com Castanhas o prato principal, mas pode ser facilmente substituido por outra carne branca, como o famoso frango "de Brest". 

A sobremesa principal são os "Troncos de Natal" que podem ser de todas as cores e sabores, em versão bolo ou gelado. Outras pequenas doçarias enriquecem a mesa de Natal tal como as "Orangettes" (laranja confitada e coberta de chocolate), frutos secos, "pain d'épices" e chocolates de todas as formas. 

Tal como nós, os franceses (pelo menos os mais tradicionais) dão muito valor aos momentos passados à volta da mesa e trocam presentes entre si. No caso deles fazem-nos essencialmente de manhã antes do "brunch" ou do almoço em família. 

Espero ter assim partilhado convosco algumas das tradições francesas de Natal.