Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Crónicas da Cidade dos Leões

As histórias, o dia a dia e as experiências de uma Portuguesa, expatriada em Lyon (França). Porque a nossa casa é onde nos sentimos bem... e onde somos felizes!

Socorro! Eles estão a dar comigo em doida...

31.05.19 | Nala

As coisas no trabalho andam mal, muito mal. E têm sido tantas razões de queixa, mas tantas razões de queixa que já nem sei se sou eu que invento metade. 

Esta semana tirei uma semana sabática e mesmo assim, mesmo assim conseguiram não parar de me dar dores de cabeça e adivinhem que, mesmo a parte do trabalho do meu chefe que ele não fez é: responsabilidade minha. 

Ora pois claro! A incompetência ainda desculpo mas não assumirem os seus próprios erros tira-me do sério. Tenho vontade de ligar para todos os sindicatos e fazer chegar o assunto bem lá acima, aos altos dirigentes de quem os "chefinhos de meia tigela" têm um medo que se partem. 

Alguma ideia mais do que possa fazer (para além de os espancar porque isso é "legalmente" impossível??) 

E eu que estava tão optimista depois destes dias... 

Crónicas da Ascenção

30.05.19 | Nala

A Quinta Feira da Ascenção é dia de feriado municipal na minha terra natal e, apesar de não o passar por lá há muito tempo, continuo a festeja-lo. 

Neste dia existe, por terras ribatejanas, a tradição de "ir apanhar a espiga". A espiga consiste num ramo composto por várias espigas, flores do campo e raminhos de oliveira e videira. Acreditasse que aquele raminho deve ser seco e guardado durante o ano para trazer boa sorte. 

Cada componente da espiga têm uma representação diferente: o trigo representa o pão, o malmequer o dinheiro, a papoila o amor, a oliveira a paz, o alecrim a saúde e a videira a alegria. Podem juntar-se outras flores ou espigas dependendo da tradição local e dos hábitos familiares. Ou até se pode juntar uma qualquer flor simplesmente porque é bonita. 

E desengane-se quem acha que a cumpríamos como uma qualquer outra tradição aborrecida que mantínhamos para agradar aos nossos avós. Em crianças era uma festa seguir, em família, pelos caminhos campestres e a fazer os quilómetros necessários para encontrar tudo o que era preciso. Ninguém se queixava do cansaço tal era a vontade de ter um ramo completo. 

Mais tarde, na adolescência, tornou-se um dia para passar com os amigos. Fazíamos piqueniques, participávamos nos peddypappers que eram organizados pelas coletividades da terra, jogávamos à bola e passávamos horas a rir e a brincar aproveitando o dia até ao pôr do Sol.

Eu, que nem sou assim tão saudosista, morro de saudades deste tempo 

 

Dizer que não!

29.05.19 | Nala

Estou numa fase particularmente introspetiva da minha vida. E de entre todos os pontos bons e menos bons que tenho remarcado está um que é uma verdadeira bomba relógio: Eu não sei dizer que não.

Não digo que não porque não quero "magoar" a pessoa que está à minha frente, não digo que não porque quero ser "queridinha" por todos ou não digo que não porque não sei como fazê-lo. 

E esta história do não saber dizer não está a tornar-se um calcanhar d'Aquiles de todo o tamanho. 

Se esta minha dificuldade vêm da educação ou se é mesmo um traço de personalidade não vos sei responder. Se está relacionado com o meu medo de ser "detestada" pelos outros isso de certeza. Uma coisa é certa o não saber dizer não têm-me trazido mais problemas do que soluções. 

A nível profissional deixou-me desmotivada e pouco segura de mim. Deixou-me à mercê dos colegas e cheguei ao ponto de perder oportunidades por não querer "dar-me mal"... ou como diria a minha mãe "temos de nos dar bem com toda a gente"!

A nível pessoal dá-me a imagem de ser alguém pouco consistente, preguiçosa e sem vontade de lutar seja pelo que for. O que é exatamente o contrário daquilo que eu gostaria de mostrar. 

É necessário e muito urgente resolver este problema que me está a fazer mais mal que bem. E para isso decidi desafiar-me da seguinte forma: Durante um mês dizer que não quando me pedirem algo que não quero fazer ou quando achar que não tenho de ser eu a fazer. O desafio vêm deste site, caso o assunto também vos interesse. 

Desejo-vos uma ótima Quarta Feira e muitos não quando eles forem necessários. 

 

Crónicas dos Transportes Públicos

27.05.19 | Nala

Os transportes públicos são o mal necessário das pessoas que vivem numa grande cidade e que decidiram não ter carro. Como principais vantagens sabemos que eles são práticos, menos poluentes e mais económicos do que um meio de transporte pessoal, normalmente acabam por ser mais rápidos por causa das faixas especiais, entre outras vantagens.

Se, mesmo que tivesse um carro próprio continuasse a preferir os transportes públicos (só de pensar que não tenho de estacionar nem de pagar uma fortuna para deixar o carro...) tenho de admitir que o facto de ser "público" me deixa muitas vezes à beira de um ataque de nervos. 

Todos nós sabemos que há "perfis" muito marcados entre as pessoas que usam transportes públicos. Ora digam lá se nunca se cruzaram com algum destes:

- O tipo "avestruz": Este é infelizmente a mais recente "aquisição" no que a cromos dos transportes públicos. Entende-se por "avestruz" aquela pessoa que depois de estar sentado coloca os fones nos ouvidos e, à primeira aproximação de uma pessoa prioritária (grávida ou idoso, por exemplo) baixa a cabeça e a "enfia" no ecrã do seu telemóvel e se distraí quase instantaneamente com ele. "Olhos que não vêm, coração que não sente" não é?

- O "Empurrador": Este é aquele tipo de pessoa que, para além de não perceber o porquê de haver uma fila, ainda acha que têm direito a empurrar e a reclamar se não o deixarem passar à frente. Vício ou má educação pura e dura eis a questão! 

- O "Contador de Histórias": Quem nunca se cruzou com aquela pessoa que, sem nos conhecer de lado nenhum, se pega a nós como uma lapa e nos conta a história da sua vida inteira e mais alguma coisa... Bem podemos tentar mudar de lugar e fingir que não estamos a ouvir que o resultado é exatamente o mesmo. E tudo isto porque respondemos cordialmente à primeira pergunta que nos foi feita...

- O "Prioritário": Sou das primeiras pessoas a levantar-me e a dar o meu lugar quando vejo alguém dito prioritário mas, se há coisa que me enerva são as pessoas que se usam dessa condição e gritam aos sete ventos que todos os outros são mal educados quando não há nada, mas mesmo nada, que dê a entender que são prioritários. Destas pessoas fazem parte grávidas que acabaram de fazer um teste que estava positivo (sim já assisti a uma jovem que puxa do relatório das análises que tinha acabado de ir buscar) ou pessoas que se magoaram à 15 dias atrás num jogo de futebol. 

- O "Empata": O empata é, de certa forma parecido com o "Avestruz" mas com menos intenção. Por "Empatas" entendem-se as pessoas que se instalam confortavelmente no meio do autocarro e não se apercebem que estão a atrapalhar as entradas e as saídas ou aquele personagem que se mete mesmo ao pé da porta de trás do autocarro e não a deixa fechar (porque não ouve o barulho à conta dos headphones) até que uma alma caridosa o vá puxar por um braço para fora dali. 

Estes são os 5 tipos de "cromos" que encontro frequentemente nos transportes públicos! E vocês? Encontram outro tipo que queiram partilhar?!

 

Crónicas de uma Segunda Feira

27.05.19 | Nala

Seja qual for a razão uma coisa é certa: quase todos nós temos um odiozinho de estimação pelas Segundas Feiras.

Talvez porque ela traga com ela o trabalho de sempre, com os colegas de sempre, os stresses de sempre... 

E assim desperdiçamos vinte e quatro horas da nossa vida a desejar ardentemente que o dia acabe, a rezar para que o fim de semana volte depressa e a pedir a todos os santinhos o favor de resolverem os nossos problemas, de preferência sem que tenhamos de mexer o rabo para provocar esta mudança que tanto queremos.

Para esta Segunda Feira que agora começa desejo-vos: 

- Motivação para fazer algo que prometeram mas que nunca tiveram energia para se lançarem;

- Vontade de agarrar no telefone e ligar aquele amigo ou familiar de quem gostam tanto mas para quem o vosso tempo escasseia;

- Desejo de provocar as mudanças que tanto desejam na vossa vida e compromisso na realização dos vossos objectivos; 

- Resiliência para conseguir cada vitória; 

- E sobretudo muito amor e paz nos vossos corações! 

Boa Segunda Feira!

Crónicas de um Domingo no Lago

26.05.19 | Nala

O Domingo é aquele dia da semana que nos deixa meio divididos. Se por um lado é o dia de preguiça por excelência por outro não podemos esquecer que a semana está a começar. 

Cá por casa temos um certo ritual com os Domingos, especialmente porque nem sempre os podemos aproveitar, tentamos compensar naqueles em que estamos juntos. E hoje, com um tempo maravilhoso e solarengo, decidimos preparar um piquenique e desfrutar destas temperaturas primaveris que tanto tempo esperamos aqui por estes lados. 

Aproveitamos e fomos a um grande parque aqui pertinho da cidade. Nesse parque há um grande largo, castores (infelizmente não vimos nenhum...) e pássaros de muitas espécies diferentes. Tivemos a oportunidade de fazer uma grande caminhada, almoçar pertinho da água e saborear este contacto tão próximo com a Natureza. 

Há lá alguma forma melhor de se preparar para a semana que começa?

jonage 2.jpg

jonage.jpg

 

 

Carta para uma amiga

24.05.19 | Nala

"Olá, como estás?

Escrevo-te esta carta pois ouvi dizer que estás a passar por uma fase difícil...

Compreendo o que sentes mas olha: tens aquilo a que chamamos uma "boa vida".  Apoio não te falta, tens uma relação maravilhosa, uma profissão que, apesar de todos os dissabores recentes, te dá muita coisa boa em troca, uma família e amigos dispostos a fazer tudo por ti. 

Mas mesmo com isto tudo o mal-estar tomou conta de ti: o trabalho pesa-te horrores, os colegas não ajudam e a motivação deixou de existir...

E agora? O que é que vais fazer a seguir é a pergunta que deves fazer a ti mesma! Não és um pássaro fechado numa gaiola antes pelo contrário deves ter asas para voar. Livre para fazeres o que quiseres e seres feliz! 

É difícil, claro que é difícil... mas não são as dificuldades que nos fazem evoluir. Não fazer nada será muito mais difícil a longo prazo. E tens tanta gente que te ama e torce por ti. Eles merecem mais do que ver-te assim... 

Se não sabes o que fazer para melhorar ouve o teu coração, escuta os teus instintos. Com certeza que vai ser difícil mas vai passar. Não há mal que sempre dure! 

Estamos aqui para ti e tu estás aí para ti mesma. Afinal és tu mais do que ninguém que quer ver as coisas a melhorar. 

Olha pela janela e vê como há tanta coisa bonita. Repara como, à tua volta, tens tanta gente que te ama e se importa!

A bola agora está nas tuas mãos e será a tua vez de marcares o golo da vitória.

Eu acredito em ti!"